Antes de sequer começar a conversar sobre as expectativas e previsões (não tão otimistas quanto eram de se esperar) para o desempenho comercial de Batman Vs Superman, vale lembrar algumas coisas: bilheteria não determina qualidade de filme, nunca determinou e nunca vai determinar; e só em um mercado estourado e saturado do gênero de super-heróis que os números dessas previsões poderiam ser considerados decepcionantes.

Mas o fato é que, se comparado aos números de seus colegas do mesmo gênero, Batman Vs Superman está praticamente destinado a produzir números que parecem pequenos. Vamos a eles, então: segundo o site Boxoffice.com, o dia de abertura do filme pode render US$ 154 milhões de bilheteria. Para colocar em perspectiva, esse é um número ligeiramente inferior ao arrecadado por Jogos Vorazes – Em Chamas e Batman – O Cavaleiro das Trevas, que tiveram aberturas de US$ 158 milhões. Lembrem-se que esses filmes que citamos acabaram faturando US$ 865 milhões e US$ 1 bilhão no mundo todo, respectivamente, números que são impressionantes em qualquer contexto.

Segundo o mesmo site de previsões, Batman Vs Superman provavelmente vai fechar a conta, nos Estados Unidos apenas, em torno de US$ 380 milhões de bilheteria. Pode ser um número pequeno se comparado a um titã como Vingadores: Era de Ultron, que fez quase US$ 500 milhões domesticamente, mas é importante notar que a bilheteria internacional arrecada, geralmente, quase o dobro do valor conseguido em terras americanas. Suponhamos que Batman Vs Superman faça US$ 550 milhões mundialmente, uma perspectiva modesta, e as contas nos levam a uma bilheteria mundial de US$ 930 milhões, mais que o bastante para qualquer estúdio encher o cofre.

É preciso levar em conta também que, apesar dos muitos esforços da Warner, a DC ainda não é nem perto de uma marca tão poderosa nos cinemas e no consciente coletivo do espectador quanto a Marvel. Faz oito anos que a Marvel vem construindo uma marca consistente e um público fiel, com vários filmes passados no mesmo universo e trazendo cada vez mais espectadores pela pura força de atração de mais e mais personagens. Enquanto isso, a DC começou o seu próprio universo compartilhado em 2013, com O Homem de Aço, e pode ainda estar a frente no reino da TV, com Arrow, The Flash e Supergirl, mas com certeza está atrás nos cinemas.

Para efeitos de comparação, O Homem de Aço rendeu US$ 668 milhões de dólares mundialmente, cifra mais ou menos parecida com o que Thor: O Mundo Sombrio conseguiu no mesmo ano, e esse é um dos menores e menos consequentes filmes da Marvel. Dos filmes da segunda fase da Marvel, só Homem-Formiga arrecadou menos que a bilheteria de O Homem de Aço.

Por outro lado, sabe aquela previsão teoricamente pessimista sobre Batman Vs Superman arrecadar “só” US$ 380 milhões nos EUA? De todos os 12 filmes do universo cinematográfico da Marvel até agora, só três (isso mesmo, três) deles superaram essa mesma marca – Homem de Ferro 3 fez US$ 409 milhões, Vingadores: Era de Ultron fez US$ 459 milhões e Os Vingadores fez US$ 623 milhões. Inclusive, só esses mesmos três filmes arrecadaram mais em seu fim de semana de estreia do que os US $154 milhões previstos para BvS.

Colocar puras informações em contexto e observar o ambiente em que elas foram geradas é por definição o trabalho do jornalista. É claro que esse tipo de análise não cabe dentro do formato convencional de uma notícia, e por isso o Observatório do Cinema mencionou-os quando eles saíram de forma mais direta. Vale registrar, portanto, que as previsões “decepcionantes” para Batman Vs Superman não são tão decepcionantes assim, se você pensar bem sobre elas. São típicas de um universo cinematográfico e uma marca em crescimento, que precisa se estabelecer e, se tudo der certo, vai chegar em Liga da Justiça como a gigante que merece ser.