Atenção para spoilers do último episódio!

Barry Allen (Grant Gustin) já teve que tomar muitas decisões dolorosas em sua carreira como The Flash, mas a escolha de não salvar sua mãe do Flash Reverso é uma que provavelmente vai o assombrar para sempre – mesmo que ele tenha feito esse sacrifício por todos os motivos certos.

Então, com o retorno do Flash Reverso no último episódio, o 11º da temporada, capturar ele ofereceria à Barry a chance de mudar o rumo dos acontecimentos, já que essa versão de Eobard Thawne ainda não havia matado a mãe de Barry, além de muitas outras de suas vítimas. Mas como o produtor executivo Andrew Keisberg comentou em entrevista para a Variety, “Assim como muitos viajantes do tempo antes dele, Barry descobriu que o tempo simplesmente não quer mudar”.


Assim, manter Eobard preso ameaçaria a existência de Cisco (Carlos Valdes) na linha do tempo em que eles viviam, então, Barry mais uma vez teve que tomar uma decisão difícil e libertá-lo para salvar seu amigo. Isso também afetou o seu relacionamento com Patty (Shantel VanSanten), que finalmente descobriu sua identidade secreta como The Flash, mas decretou que a relutância de Barry em confiá-la com esse segredo foi a última gota d’água em seu relacionamento.

Um detalhe especial do episódio provocou alguns fãs a criarem uma nova teoria para a identidade do maior vilão da série, o Zoom. Na subtrama em que Caitlin (Danielle Panabaker) vai para a Terra-1 buscar a outra versão de Jay Garrick (Teddy Sears) para usar o DNA desse seu “gêmeo” a fim de curá-lo, descobrimos que a “versão” Terra-1 de Jay na verdade se chama Hunter Zolomon, e não tem superpoderes, o que o desqualifica para salvar seu sósia na realidade alternativa.

Nos quadrinhos, no entanto, Hunter Zolomon é o nome original do Zoom, que foi um vilão na primeira encarnação de The Flash, cuja identidade secreta era Wally West.

E aí, será que é uma dica bem óbvia ou só um jeito de despistar os espectadores?

the-flash-jay