Punho de Ferro | Primeiras impressões – sem spoilers

Assim como Demolidor, Jessica Jones e Luke Cage, Punho de Ferro ganhou sua série própria para depois se juntar ao grande crossover Os Defensores onde os quatro irão se aliar. Se compararmos o que a Marvel está fazendo no cinema com as produções da Netflix, temos de comparar Punho de Ferro ao Dr. Estranho, levando em conta que ambos são os responsáveis por introduzir o lado místico em suas mídias. Como sabemos disso? Já assistimos aos seis primeiros episódios da série.

E Punho de Ferro não decepciona. Seguindo a fórmula já usada antes com seus companheiros vigilantes, a maior diferença parece ser o clima da produção. A série conta com muito mais cenas durante o dia, além de se passar em Upper West Side, em Manhattan, quebrando o fundo usado nas outras produções, que mostram bairros menos nobres da cidade, com o intuito de mostrar no externo do bairro a decadência de seus protagonistas. Assim, o clima combina melhor com Danny Rand (Finn Jones) que, apesar de também ter traumas em seu passado, é um jovem de família milionária, diferente de seus futuros companheiros.

Danny chega à Nova York após 15 anos. Declarado morto, Danny procura a antiga empresa de seu pai, com esperança de ser acolhido pelos amigos do passado. Finn Jones está ótimo como Danny, a ponto de esquecermos completamente que ele já foi Loras Tyrell em Game of Thrones um dia. Os primeiros personagens apresentados são Joy (Jessica Stroup, de 90210, The Following) e Ward Meachum (Tom Pelphrey, de Banshee), filhos de Harold Meachum (David Wenham, de 300), sócio do pai de Danny na empresa milionária Rand-Meachum. Jessica tem um personagem confuso e sua atuação, apesar de boa, em nenhum momento se destaca. Já Tom tem mais chance de brilhar em seu papel, e aproveita todas elas. É o melhor ator em cena.

Mas Danny não encontra só antigas pessoas de seu passado. Colleen Wing (Jessica Henwick), sensei de um dojo, acaba se tornando amiga de Danny. Bem interpretada, Colleen exigiu muito da atriz fisicamente, que machucou diversos pontos do corpo durante as filmagens. Por causa disso, Colleen é responsável por ótimas cenas de ação durante a série. Colleen é responsável também por trazer a enfermeira Claire Temple (Rosario Dawson) para a vida de Danny, personagem que desde Demolidor é dita como a ponte que unirá os quatro super-heróis. Outra personagem conhecida que encontramos é Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss), de Jessica Jones, ajudando a unir ainda mais as séries.

Como nas outras séries citadas, Punho de Ferro é cheio de easter eggs para os fãs dos quadrinhos, e segue o molde de mostrar à origem dos poderes do protagonista em flashbacks, para que possamos ir descobrindo o personagem ao mesmo tempo em que ele vai se descobrindo também. Se Demolidor mostra um pouco de elementos orientais graças à Stick ou Elektra, Punho de Ferro nos aprofunda nessa cultura. Não só a luta como a filosofia das artes marciais estão por toda parte da série, entrando em contra-ponto ao espírito capitalista que envolve os personagens ao redor de Danny e, assim como o clima de blaxploitation em Luke Cage, consegue se manter sem ser caricata.

Também não exagera na introdução do místico, pois como o tom criado inicialmente em Demolidor e seguido pelas produções posteriores, Punho de Ferro está em um universo realista, onde o místico é questionado com frequência por personagens que insistem em dizer “é assim que acontecem as coisas no mundo real”. Apesar disso, ambos o realismo e o misticismo têm seu espaço na série, já que Danny é dividido entre problemas empresariais e suas obrigações como Punho De Ferro, guerreiro lendário de K’un-Lun, uma das Setes Capitais do Paraíso.

Um ponto onde a série não se diferencia de todas as outras produções de TV e cinema que se baseiam em um super-herói dos quadrinhos é o desenvolvimento de sua própria versão do personagem. Como o próprio ator Finn Jones chegou a dizer em entrevistas, existem diversas encarnações diferentes de Danny Rand no material original, e a série procura, é claro, se inspirar nelas ao mesmo tempo em que cria o seu próprio Danny. Sendo assim, a série vale não apenas por si só, mas também pelo futuro que nos aguarda com Os Defensores, onde Matt Murdock, Jessica Jones, Luke Cage e Danny Rand, quatro personagens completamente diferentes e com personalidades fortes irão se encontrar.

Ainda assim, Punho de Ferro pode ser apreciado mesmo fora do contexto de Os Defensores, já que apresenta ótimas cenas de ação em um bom roteiro onde personagens marcantes foram bem interpretados.