Inumanos | Primeiras impressões

Inhumans, nova série do Universo Cinematográfico da Marvel, estreará em breve – dia 1° de setembro – e, para promovê-la, o diretor dos dois primeiros episódios, Roel Reiné, conversou com a imprensa aqui em São Paulo sobre esta nova marca no MCU (sigla do Universo Cinematográfico da Marvel em inglês). Inumanos conta a história de uma linhagem de humanos geneticamente modificados e que, por isso, foram obrigados a se mudarem para a cidade de Attilan, construída por eles na Lua. Sua sociedade é organizada em castas, na qual a mais alta hierarquicamente é a da família real – ocupada justamente pelos protagonistas da série, como Raio Negro e Medusa.

Foram mostradas quatro cenas do primeiro episódio da série, com exclusividade: uma se dá logo em uma das primeiras sequências, na qual um grupo armado persegue uma inumana, que não era acolhida na cidade de Attilan, em uma floresta no Havaí e um membro dos cidadãos de Attilan tenta resgatá-la e lavá-la para a cidade lunar. A segundo mostra os inumanos discutindo na “mesa de jantar”, justamente sobre esta missão de resgate e suas consequências. A terceira mostrava Medusa (Serinda Swan) utilizando do poder de seu cabelo para amedrontar o inumano Maximus (Iwan Rheon), que a provocara desrespeitosa e fastidiosamente, e a quarta, por fim, mais uma cena de ação agora envolvendo os protagonistas da série – cena, ao que tudo indica, que se passa no final de um dos episódios. Depois, foi exibido para a imprensa o mesmo trailer que há dias foi mostrado na Comic Con de San Diego, já disponível na internet.

De tudo que foi falado na coletiva, um dos pontos mais enfatizados foi justamente o uso dos efeitos técnicos da série, os quais para Reiné são inovadores e mostram um altíssimo grau de dificuldade. É fato que Inumanos será a primeira série da história a ser gravada em IMAX. Os dois primeiros episódios (os dirigidos por Reiné), inclusive, vão ganhar um corte especial que os unificará e os tornará uma peça única para que, assim, possa ser exibido em IMAX nos cinemas – projeto este levado a cabo pela Marvel, que dará esta oportunidade para os fãs de assistir aos dois primeiros episódios da série inédita nas salas de cinema. Reiné disse que ama filmar em IMAX, e que para ele foi interessante fazer algo simultâneo para a TV e para as salas IMAX (cujo tamanho da tela e potência do som são vorazmente maiores).

Contudo, não é somente o IMAX que, para Reiné, espanta na grandeza dos efeitos especiais de Inumanos. Dezenas de agências de efeitos visuais participaram do projeto pretensioso e obsessivo, cheio de desafios altos: para o diretor, muito do que se faz na série nesse aspecto é pioneiro. Um dos grandes exemplos para ele é justamente o cabelo de Medusa, um trabalho técnico inédito e extremamente exigente. “[Os responsáveis pelos efeitos visuais] já haviam trabalhado com água antes, mas nunca com cabelo”, disse Reiné, para expor a dificuldade da empreitada. Inclusive, Reiné falou sobre as críticas que o primeiro trailer de Inumanos recebeu por parte dos fãs, trailer este que decepcionou no que mostrou do famigerado cabelo de Medusa (e por pouco o mostrar em ação, já que ela controla o movimento de seus fios de cabelo, super-resistentes a ponto de serem capazes de vencer uma luta): disse que sim, havia lido os quadrinhos (brincando com aqueles que o acusavam de “não ser fiel às HQs” em relação à personagem) e ainda que aquilo que acabávamos de ver – obviamente, a cena de Medusa usando do poder de seus cabelos – ainda era fresca, há semanas finalizado.

Outro tópico importante abordado por Reiné foi a relação da série com o resto dos arcos do MCU. Ele disse que não sabia se a história de Inumanos, em algum momento, influenciaria ou seria influenciada pelas consequências das outras histórias do MCU – como é recorrente em outras séries da Marvel, como Jessica Jones e Demolidor, nas quais os efeitos das tramas dos Vingadores e afins orientavam bastante as suas tramas – mas que, nestes primeiros episódios, isto não aconteceria. Contudo, isso não o impediu de colocar alguns “easter eggs” nos episódios por ele dirigidos. E, por fim, vale a pena falar de outro fator muito importante dito por Reiné na coletiva: a narrativa girará muito em torno das relações afetivas e dos dramas emocionais vividos pelos protagonistas – e não priorizará apenas as cenas de ação e a luta dos heróis contra vilões no roteiro. Para exemplificar o que dizia, fez um paralelo com a estrutura narrativa de Game of Thrones, e disse que Inumanos seguiria mais ou menos aquela tendência – cheia de intrigas dramáticas.

Contudo, já se sabia, obviamente, da nada boa recepção dos teasers da série por parte de seu público alvo. Você pode ver aqui que os elementos visuais, a direção de arte, o figurino, os efeitos… enfim, muito da estética foi criticado dada sua pouca veracidade justamente pelo pouco rigor técnico apresentado – justamente a ideia oposta àquela que Reiné queria passar. Contudo, as imagens apresentadas, de fato, pareciam mesmo ter um rigor muito decepcionante: pode até ser que muita tecnologia foi investida, e a tentativa de extrair imagens impressionantes – gotículas de chuva precisamente focalizadas, numa minúcia ímpar – é presente, mas na tela o efeito que passava era de uma pobreza caricata, podendo ser ironizada com os figurinos da série do Batman de Adam West. A perícia estética apresentada parecia débil pelas imagens chapadas, inócuas, sem identidade, inexpressivas: não há um uso comovente das cores, da iluminação e dos planos, eles não criam atmosfera alguma e, assim, não criam nenhum efeito dramático nas cenas. Além do mais, pode-se dizer que sim, talvez os fãs não estivessem errados sobre o que disseram acerca dos figurinos e maquiagens da série pelo que eu pude ver. Estas são somente as primeiras impressões, e esperemos para ver se atingirão um nível técnico digno de Marvel e que possibilite ao público levar mais a sério as cenas da série.