Um painel exclusivamente focado em Batman nos quadrinhos aconteceu nessa quinta-feira (07) durante a CCXP 2017.

Batman – O Mundo do Cavaleiro das Trevas abriu com a presença de alguns dos mais importantes quadrinistas que trabalharam nos quadrinhos do universo do homem morcego como Gail Simone, Rafael Albuquerque, Paul Pope e Ben Templesmith.

Os quadrinistas presentes contaram que conheceram o Batman pela primeira vez assistindo a série de TV dos anos 60, interpretado por Adam West como o principal e Burt Ward como Robin. Gail contou que ao ver a Batgirl na série tornou-se fã automaticamente da heroína por conta de ser uma personagem feminina forte e independente. Já Ben também viu Batman pela primeira vez na série mas comentou que teve seu primeiro contato com o herói nos quadrinhos, com a publicação Arkham Asylum.


Rafael também comentou que conheceu quem é Batman pela primeira vez pela série e elogiou a diversidade que o super-herói possui, podendo ser trabalhado de forma mais satirizada ou até mesmo mais séria.

Ao comentarem sobre o futuro filme do Batman, todos comentaram o que esperam. Paul explicou que deseja ver mais do Coringa de Jared Leto. Rafael acredita que um Batman mais detetivesco seria importante, adicionado pela inclusão do vilão Charada. Gail amava escrever sobre Pinguim, então, disse que adoraria ver o personagem no filme.

No início da conversa, eles contaram suas relações com as HQ’s do Batman, o início do envolvimento de cada um. Gail comentou que seu trabalho com a Batgirl – sua principal personagem na família Batman – foi emocionante e que adorou ter se envolvido com sua história, principalmente após os eventos que a tornou paraplégica na famosa HQ A Piada Mortal, quando a Barbara Gordon/Batgir levou um tiro na coluna do Coringa.

Ben Templesmith, cocriador da série 30 Dias de Noite, disse que sua experiência desenhando e desenvolvendo o Batman foi um dos melhores acontecimentos de sua vida.

O brasileiro Rafael Albuquerque, que desenhou All-Star Batman explicou que foi a primeira grande história para o herói e que isso teve muita importância na sua carreira. Paul Pope tentou expressar um vigilante de Gotham mais diferente com seu Batman: Ano 100 onde quis desenvolver e desenhar o Batman mais atlético e sério, o colocando em um universo mais realista possível.

Confira o vídeo de abertura do painel, que introduziu a temática do debate dos artistas:

Informações do redator Pedro Henrique, diretamente da CCXP 2017.