Homem-Formiga e a Vespa chegou nos cinemas pelo mundo na última semana gerando um fato importante para o universo cinematográfico da Marvel: uma personagem mulher sendo protagonista do filme. Claro que não foi um longa tomado pela Vespa, interpretada por Evangeline Lilly, mas apenas sua aparição no título já representa uma quebra do domínio masculino dentro das produções do estúdio. Entretanto, o que virá para o futuro? Uma maior representatividade ou essa foi apenas uma pequena enganada?

É preciso inciar comentando que o Marvel Studios tem sim observado, cada vez mais, suas personagens femininas, mesmo que de uma forma um tanto lenta. Todavia, não se pode tirar os méritos da DC, ao ter realizado a primeira obra com uma mulher no gênero de super-heróis de extremo sucesso: Mulher-Maravilha. Alguns poderão até comentar sobre Mulher-Gato e Elektra, mas elas não são realmente heroínas e esses dois não são filmes para ninguém se orgulhar.

Com Homem-Formiga e a Vespa, Marvel ultrapassa a marca de US$ 17 bilhões em bilheteria


A estreia de Capitã Marvel, em 6 de março do próximo ano, marcará um real domínio de tela para um protagonista que não seja um homem. A película, além disso, também seja dirigida por uma mulher. Tudo bem que não inteiramente, já que Anna Boden irá dividir o cargo com seu marido Ryan Fleck, porém, esse já representa o início de uma nova era se formando para essas personagens que nunca tiveram espaço.

Relembrado o passado desse universo nos cinemas, talvez apenas duas personagens podem ser realmente destacadas: Viúva Negra e Pepper Potts. A primeira teve sua participação bem forte em Vingadores e Vingadores: Era de Ultron, mesmo que já tem perdido seu espaço a algum tempo. Contudo, as notícias são animadoras, já que alguns rumores relatam pensamentos de um longa totalmente de Natasha Romanoff, alter-ego de Viúva. Já a segunda, sempre foi retratada como esposa do Homem de Ferro, sem nenhuma participação como principal em alguma das produções.

Voltando para os tempos atuais, deve-se olhar para o futuro. Kevin Feige, diretor do Marvel Studios, disse que, em breve, esse mundo terá mais personagens femininas do que masculinas, mas como protagonistas? Isso que fica realmente complicado de analisar, aonde não se observa um futuro para essas.

Essa questão da diversidade deu um lucro gigantesco para o estúdio alguns meses atrás. Com Pantera Negra, o faturamento de Feige e companhia foi, simplesmente, o 4º maior da história do MCU, atrás apenas dos três Vingadores. O mais impressionante disso tudo é que se tratava de uma herói conhecido nos quadrinhos, porém nem tanto pelo grande público, mas que só havia aparecido em Capitão América: Guerra Civil. O sucesso foi, sem dúvidas, motivado pela necessidade do público em observar uma maior variedade de gêneros e etnias na telona.

Kevin Feige da Marvel, quer reconhecimento do Oscar por Pantera Negra

Com tudo isso em mente, a pergunta que fica é: por que a Marvel não busca investir nesse público? As mulheres desejam ver personagens que as representem, o sucesso provocado por Mulher-Maravilha mostrou isso. Existe um desejo de fazer uma obra apenas com as personagens mulheres da franquia, mas esse movimento deve ser ainda maior, já que esse fato se tornará benéfico de todos os lados.

Dessa forma, o estúdio tem o futuro da fase 4 pela frente, após o fim de Vingadores 4. Novos personagens, novos cenários, novas situações, um reinício verdadeiro. Esse seria o momento ideal de essas heroínas ganharem destaque, aparecem nesse universo. A evolução já está acontecendo, falta só o Marvel Studios pegar ela e agarrar de vez.