Por Cris Veronez

Diferentemente de É Fada!, lançado em 2016, o novo filme de Kéfera, Eu Sou Mais Eu, que está em exibição nos cinemas, não é uma obra infanto-juvenil. Foi o que a atriz afirmou ao Observatório do Cinema.

“Com certeza, o público na faixa etária dos 25 anos para cima vai se identificar ainda mais com o filme, pois eles viveram a adolescência justamente nessa época de 2004, que é quando se passa a história. Então não é infanto-juvenil como ‘É Fada!’. É um filme para a galera da minha idade mais ou menos. Vou fazer 26 anos”, afirma a atriz.

>> CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

No filme, Camilla é uma estrela da música pop que vê todo o seu sucesso desaparecer quando, de repente, volta no tempo e acorda no ano de 2004 – época em que era uma estudante que sofria bullying no colégio e vivia outros dramas da adolescência. Eu Sou Mais Eu é uma comédia dirigida por Pedro Amorim e conta ainda com outros nomes conhecidos no elenco, como Giovanna Lancellotti, João Côrtes e Marcella Rica.

“A história da Camilla adolescente é muito do que eu passei também, mas o filme mostra um contraponto a essa era tecnológica que vivemos hoje em dia. Ela volta para uma época em que não não tinha smartphone e quase nenhuma tecnologia. Era aquela fase do jogo da cobrinha no celular, da internet discada e da falta de wifi. Só tinha Orkut de rede social. Nada de Instagram, snapchat ou algo assim”, adianta.

Crítica | Eu Sou Mais Eu

Assim como a protagonista, Kéfera também sofreu bullying em sua adolescência. Hoje, conhecida Brasil afora e cheia de sucesso, garante que se pudesse voltar no passado não faria nenhuma mudança em sua vida.

“Não mudaria nada, simplesmente pelo resultado do filme.Ele é resultado de tudo o que eu vivi, e se tivesse sido diferente ele não existiria. Só de falar no filme, fico arrepiada. É muito especial”, afirma a atriz, que é também produtora associada do longa.

PREPARAÇÃO

A intérprete de Camilla revela que a preparação para o filme durou dois meses. Ela conta que encarou cenas desafiadoras, mas que foi um dever gostoso de ser cumprido: “Me senti muito realizada vendo o resultado final do projeto”.

Para dar conta de viver uma popstar, a atriz fez aulas de canto e de dança.

“Sempre fui muito apaixonada por cantar, e agora me preparei de vez. As aulas de dança foram até mais pesadas, na verdade, porque a gente tinha uma coreografia inteira do clipe para fazer. No fim das contas, optamos por algo mais dinâmico, estilo diva do pop mesmo, com partes do clipe mostrando coreografia, outras mostrando a Camilla cantando, interagindo com dançarinos e tal. Fiquei mais na dança do que no canto. O canto foi mais fácil”, relata.

Kéfera já tinha dado uma palinha em É Fada!, mas garante que Eu Sou Mais Eu exigiu mais dos seus dotes vocais.

“Não sou cantora profissional, mas eu gostei muito. Me senti feliz. Sempre foi aquela coisa de cantar no chuveiro, e dessa vez fui para o estúdio de verdade.”