Atenção! Contém spoilers da quarta temporada de Lucifer.

A premissa de Lucifer não é tão difícil de explicar: o Diabo, vagando por Los Angeles e solucionando crimes.

Mesmo com um tema relativamente simples, a série já conseguiu trabalhar temas como a natureza humana de forma que outras séries policiais não conseguem.


Baseado livremente em um personagem introduzido na obra de Neil Gaiman, Lucifer conseguiu uma grande base de fãs, mas isso não impediu que a série fosse cancelada pela Fox após 3 temporadas.

Segunda Chance

Assim que a Fox anunciou o cancelamento de Lucifer, fãs inundaram as redes sociais com campanhas para salvar a série. As orações foram atendidas, e a Netflix anunciou que o Diabo voltaria em breve.

Na Netflix, Lucifer não precisa mais de encaixar nos padrões das emissoras americanas, podendo investir pesado na violência, nudez e sexo.

Para uma série que falava sobre o próprio Rei do Inferno, as temporadas de Lucifer na Fox foram criticadas por não mostrar detalhes dos crimes violentos investigados, devido à classificação etária.

Com a estreia da quarta temporada, a Netflix trouxe um Lucifer mais livre, irreverente e ousado, mantendo o espírito original que conquistou tantos fãs.

Os novos episódios contam com violência gráfica, mortes interessantes e muitas cenas envolvendo o traseiro de Tom Ellis.

Melhorias

Entre os aspectos principais da série, os que mais melhoraram com a Netflix foram os efeitos especiais. Principalmente o rosto demoníaco de Lucifer.

Na Netflix, o visual infernal do protagonista supera (e muito) o mostrado na Fox. Foram utlizadas técnicas modernas para assegurar que a verdadeira face de Lucifer fosse assustadora e imponente.

Mesmo com essas mudanças, a série assegura os fãs que ainda mantém aquele tradicional estilo policial que a deixou tão famosa. Casos episódicos ainda são analisados, porém a maioria deles vem ligada à trama principal da nova temporada.

Menos episódios

Com menos episódios, a quarta temporada de Lucifer não precisa estender pontos focais da trama. A nova temporada da série tem apenas 10 episódios, bem menor que as da Fox, que em sua maioria contavam mais de 20.

As jornadas dos personagens, dessa forma, apresentam mais peso. Os acontecimentos se desenvolvem sem enrolação, e ninguém é forçado a ficar como plano de fundo enquanto a trama principal é concluída.

Todos os protagonistas da série ganham arcos interessantes (o bebê de Linda, a crise de fé de Ella), mas o ponto principal da temporada é a reação de Chloe à revelação que Lucifer é o verdadeiro Diabo.

Lucifer mostrou sua verdadeira face para Chloe no final da terceira temporada, ao matar o Tenente Pierce. A quarta temporada faz um bom trabalho ao mostrar que Chloe reagiu como uma humana comum reagiria: com medo e apreensão.

Mesmo assim, a relação entre os dois evoluí em vários níveis, e é extremamente interessante de se acompanhar.

Novos personagens

Para explorar novas oportunidades narrativas, a primeira temporada de Lucifer produzida pela Netflix introduz alguns personagens inéditos. Entre eles, dois chamam mais atenção: Padre Kinley, interpretado por Graham McTavish (Preacher) e Eva, vivida por Inbar Lavi (Prison Break).

O Padre Kinley é um dos principais antagonistas dessa nova temporada. O personagem é interpretado com uma fúria silenciosa por McTavish, o que é incomum para vilões de Lucifer.

O público fica sem saber o que esperar do personagem em suas primeira aparições, quando ele se alia a Chloe e tenta de tudo para convencer a policial que Lucifer deve voltar ao inferno. Além disso, ele ajuda a desenvolver alguns dos elementos sobrenaturais mais interessantes da nova temporada.

Porém, nenhum novo personagem poderia brilhar mais que Eva.

Como a primeira mulher humana, Eva conheceu Lucifer há muito tempo (desde o início do tempo), quando ele ainda era um Demônio hedonista. É esse Lucifer que Eva ama, e é ele quem ela quer de volta.

Inbar interpreta Eva com uma espécie de inocência macabra, e consegue avivar o lado mais obscuro de Lucifer.

Uma temporada ótima

A quarta temporada de Lucifer não apenas provou que a Netflix consegue igualar a Fox em relação à qualidade da série, mas que é bem capaz de superá-la.

Os arcos de todos os personagens são bem estabelecidos, e com menos episódios, existem menos oportunidades para enredos improvisados e tramas que não levam a lugar algum.

Misturando as estripulias de Lucifer com a investigação criminal de Chloe, a quarta temporada da série conseguiu manter o interesse dos fãs para o próximo ano, com uma reviravolta impressionante no último episódio.

Fãs de Lucifer não se decepcionaram com as escolhas da Netflix para a quarta temporada. E se você ainda não é um fã, essa é uma ótima hora de dar uma chance para a série.

Todas as quatro temporadas de Lucifer estão disponíveis na Netflix. A série ainda não foi renovada oficialmente para a quinta temporada.