Além do mega sucesso de Vingadores: Ultimato, 2019 também trouxe outra contribuição importante para o Universo Cinematográfico da Marvel Studios: Capitã Marvel. A heroína de Brie Larson estrelou seu primeiro filme solo no mês de março, e também participou da grande batalha final dos Maiores Heróis da Terra em Ultimato.

Por mais que ainda não tenha sido feito um anúncio oficial, a arrecadação de mais de US$1 bilhão do filme praticamente indica uma continuação. Agora que o furacão de Vingadores: Ultimato já passou, Kevin Feige deve trazer uma posição mais esclarecedora durante a San Diego Comic-Con, mas um eventual Capitã Marvel 2 tem muitas possibilidades para onde levar sua heroína. E o caminho oferece duas possíveis linhas temporais.

Uma das opções é seguir à risca o modelo de Capitão América. O herói de Chris Evans também teve um filme de época em sua estreia nos cinemas, e após a reunião com os Vingadores, a franquia preferiu continuar olhando para frente – até porque o personagem ficou congelado por 70 anos – e trouxe Steve Rogers lidando com os tempos modernos em Capitão América 2: O Soldado Invernal. Vingadores: Ultimato nos revela alguns detalhes sobre a Capitã Marvel: ela ficou afastada da Terra da década de 90 até 2018, e durante o salto temporal de 5 anos para o clímax do filme, passou boa parte do tempo ajudando outros planetas espalhados por diversas galáxias.


Aventuras espaciais

É uma posição onde o filme solo também terminou, com a Capitã Marvel prometendo se tornar uma heroína para a o Universo. Seja no passado pós-1995 ou tudo o que vier após 2023, a continuação de Capitã Marvel precisa explorar essa construção, até porque não a vimos concretizada no cinema – por mais que Carol Danvers aja como heroína em Vingadores: Ultimato, nunca vemos como ela chegou do ponto A ao B, e também ficamos muito curiosos para saber o que Carol andou fazendo essas missões extraterrestres.

Seu arco como personagem também ainda tem o que provar, já que uma das consequências da narrativa fragmentada de seu filme solo é que não sabemos exatamente QUEM Carol Danvers é, tampouco qual é sua motivação, e isso não fica mais claro em Vingadores: Ultimato, onde a personagem tem um papel bem reduzido.

Mas o passado deixou algumas pontas soltas que seriam interessantes de serem exploradas. O primeiro filme da Capitã Marvel praticamente preparou Ronan, o Acusador e Korath para servirem como possíveis oponentes da heroína, e teria sido um grande desperdício dos talentos de Lee Pace e Djimon Housou se eles tivessem retornado apenas para pontas de luxo. Há uma grande lacuna que renderia boas histórias ali, se Carol e Ronan tivessem um verdadeiro confronto durante os eventos anteriores a Vingadores: Ultimato.

O mesmo vale para Yon-Rogg, o antigo mentor de Carol que se revelou como um grande manipulador e extremista, e que também terminou Capitã Marvel vivo, após ser humilhado e enviado de volta para a frota Kree quando perdeu sua luta contra Carol. Um ator como Jude Law certamente tem contrato para múltiplos filmes, e mais conflitos com a Capitã Marvel seriam bem-vindos.

Invasão Secreta?

Porém, se tem um grande elemento envolvendo a Capitã Marvel que pode render um grande longa é a Invasão Secreta. O primeiro filme pode ter mudado completamente o conceito e a motivação dos Skrulls, transformando-os em refugiados que procuram apenas um lar, enquanto os Krees são extremistas por persegui-los, o que pode dificultar a transição dos alienígenas transformistas para antagonistas. Ou, nas mãos de um roteirista talentoso, poderia deixar o conflito e o peso dramático ainda mais valioso: como transformar personagens pelos quais Carol lutou a favor e defendeu no primeiro filme em vilões difíceis de serem combatidos em uma continuação após os eventos de Vingadores: Ultimato?

Seria possível fazer o filme que eu – pessoalmente – esperava que Capitã Marvel fosse. Uma história de paranoia onde o inimigo pode estar escondido em qualquer parte, ecoando o cinema genial de John Carpenter. Um elemento que também não vimos em Vingadores: Ultimato foi o retorno de Carol para a Terra, ignorando as relações de Carol com a família Rambeau.

Mas não importa o que Kevin Feige, Brie Larson e a Marvel Studios reservem para a Capitã Marvel após Vingadores: Ultimato, desde que uma coisa seja enfatizada: o arco da personagem. Carol Danvers é poderosa e destemida, mas ainda precisa de um roteiro bem desenvolvido