Há mais de um motivo para associarmos Toy Story 4 com filmes de terror. Não apenas pelo fato que a nova animação da Pixar estreou praticamente colada com o remake de Brinquedo Assassino e Annabelle 3: De Volta para Casa, mas sim por sua temática que remete a grandes clássicos do gênero.

Durante sua busca para reunir Garfinho com Bonnie, Woody acaba se metendo no caminho de Gabby Gabby. A boneca elegante e educada dublada por Christina Hendricks serve como antagonista de Toy Story 4 pela primeira metade, e de cara já temos uma clássica referência ali. Imediatamente podemos pensar em Chatty Cathy uma boneca de corda popular entre os anos de 1959 e 1965. O nome da personagem é um claro indicativo disso.

Quando a natureza mais sinistra de Gabby Gabby se manifesta, onde ela deseja tomar a caixa de voz de Woody para si, é quando temos um leve terror de bonecos. É quando Toy Story 4 remete a Talky Tina, uma boneca maligna que apareceu em um dos episódios da clássica série Além da Imaginação, sendo interessante notar com as duas personagens até trazem semelhanças fisicamente.


Está vivo!

O plano de Gabby Gabby de pegar uma parte de Woody e transportar para ela mesma também é remanescente de clássicos do terror. É a velha premissa do cientista louco à lá Frankenstein, e mais especificamente, ao terror O Cérebro que Não Queria Morrer, de 1962. No péssimo filme, a esposa de um médico é decapitada em um acidente de carro, mas ele consegue manter sua cabeça viva enquanto procura por um novo corpo – algo que a franquia Toy Story já explorou outras vezes.

Por exemplo, em Toy Story 3, o Sr. Cabeça de Batata usa um taco para colocar as outras partes de seu corpo. Isso aparentemente transfere sua “consciência” para a massa mexicana, o que não faz muito sentido, mas brinca com esses conceitos de terror mais primordiais. O mesmo acontece quando Bonnie cria o Garfinho através de um talher e outros objetos do lixo, garantindo-lhe vida assim como Victor Frankenstein criou seu monstro no clássico de Mary Shelley.

E como falamos em Mary Shelley e Frankenstein, Toy Story 4 traz mais uma sutil referência ao terror clássico da Universal em seus momentos finais. Durante uma das cenas pós-créditos, temos a revelação de que Bonnie criou outro brinquedo na escola: a Faquinha, uma versão feminina do Garfinho. É uma boa referência à chegada da Noiva de Frankenstein, continuação do clássico de James Whale, que introduz uma versão feminina e companheira para a criatura titular.

A Pixar sempre trouxe um pé discreto no terror com Toy Story (temos até temas musicais de O Iluminado no quarto filme), e isso fica mais aparentemente tematicamente neste novo filme. Esqueça Chucky e Annabelle, Toy Story 4 traz todo o terror que você precisa.