As indicações para o Emmy 2019 foram anunciadas na manhã desta terça-feira (16) nos EUA, e traz alguns pontos interessantes. Em especial, a premiação da TV segue celebrando a HBO, que dominou as categorias graças a algumas novas estreias e, principalmente, pelas temporadas finais de duas de suas maiores produções da safra recente: Game of Thrones e Veep.

A sátira política estrelada por Julia Louis Dreyfous era presença garantida aqui, afinal, sempre gerou ótimas críticas e carrega-se no clima político complicado dos EUA. A série não marcou presença no ano passado, quando entrou em hiato para que Dreyfous pudesse se concentrar em seu tratamento de câncer, mas agora retorna com força total, e deve garantir um recorde: a atriz foi premiada na categoria de Melhor Atriz em Série de Comédia todas as vezes em que foi indicada, e deve fechar com chave de ouro ao levar (mais) um Emmy por interpretar Selina Meyer na temporada derradeira. Vale lembrar que a atriz foi premiada por todas as séries na qual atuou de forma principal: Veep, The New Adventures of Old Christine e a clássica sitcom Seinfeld. Julia Louis Dreyfous é a rainha da comédia americana na TV, simples assim.

Mas o grande dilema das indicações ao Emmy recaía sobre o outro grande projeto da HBO em consideração: Game of Thrones. A Academia sempre demonstrou seu amor pela série épica de D.B. Weiss e David Benioff, com todas as temporadas tendo sido indicadas – e as três últimas levando o prêmio principal, ainda que sejam considerados as mais fracas. Pois bem, o final de Game of Thrones foi um dos assuntos mais discutidos pela internet, e nem precisamos lembrar em como ele desagradou grande parte dos fãs, tornando-se piada entre a maior parte da crítica. Mesmo assim, o Emmy a indicou para Melhor Série de Drama.


E não só isso! Game of Thrones quebrou seu próprio recorde ao garantir nada menos do que 32 indicações no total, sendo a produção mais celebrada na lista do Emmy. Claro, dado o prestígio técnica da série, não é de se espantar que todos os departamentos de fotografia, maquiagem, figurino, efeitos visuais e todos os demais tenham sido lembrados. Mas quando vemos Kit Harington indicado para Melhor Ator em Série Dramática, aí começamos a torcer o nariz. A performance do ator como Jon Snow é, para ser bem breve, péssima. É um ator inexpressivo e que nunca trouxe um bom desenvolvimento ao personagem, e vê-lo na categoria principal de atuação mostra que o Emmy não está nem aí para as polêmicas e críticas acerca do final. Ele está acompanhado de Emilia Clarke, indicada para Melhor Atriz em Série Dramática por sua performance como Daenerys Targaryen. Ainda que o arco da Mãe dos Dragões tenha sido bem pedestre na temporada final, é justo reconhecer que a atriz ao menos trouxe um trabalho verossímil e complexo para dar vida à Daenerys.

Quando olhamos para a categoria de coadjuvantes, vemos que o amor não diminuiu. Praticamente todo o elenco foi lembrado! Peter Dinklage, Nikolaj Coster Waldau e Alfie Allen foram lembrados como Ator Coadjuvante, enquanto Gwendoline Christie, Sophie Turner, Maisie Williams e Lena Headey (que literalmente só ficou parada em frente a uma janela durante a temporada toda) foram todas lembradas como Atriz Coadjuvante. Até mesmo Carice Van Houten foi lembrada, na categoria de Atriz Convidada, por sua brevíssima participação como Melisandre. A julgar por todo esse amor, eu não duvido nada que Game of Thrones acabe levando o prêmio principal mais uma vez, e os showrunners D.B. Weiss e David Benioff deverão aparecer com um sorriso no rosto – até por que, os criticados criadores foram indicados também para direção e, veja só, roteiro. O Inverno realmente chegou.

A TV a cabo contra-ataca

Nesse ano, a Netflix não conseguiu a coroa de indicações. Talvez pela ausência de seu maior hit, Stranger Things (que só é elegível para o ano que vem), o serviço de streaming ficou em segundo lugar, com 117 indicações – a força veio de diversas produções, espalhadas entre Olhos que Condenam (o maior destaque entre as minisséries), Ozark, Boneca Russa, Black Mirror e Segurança em Jogo. Já a HBO, além de Game of Thrones e Veep, se balança na forca de Barry, Chernobyl, Succession, Sharp Objects e True Detective.

Vindo forte também, está a sempre poderosa FX, que este ano contou com Ryan Murphy entregando Pose e com a minissérie Fosse/Verdon. A AMC também mostra-se forte, com Better Call Saul abocanhando diversas indicações e o streaming da Amazon Prime se mantém com a elogiada The Marvelous Mrs. Maisel, ao passo em que Phoebe Waller-Bridge ganha um merecido reconhecimento pela genial Fleabag (Amazon) e pelo drama Killing Eve (BBC).

Mais uma temporada de prêmios têm início, e ela deve ter um final tão polêmico quanto o de Game of Thrones.