Quem vai assistir ao novo O Rei Leão esperando por um entretenimento leve e cômico, como a versão original, corre o risco de sair insatisfeito.

Analisando diversos aspectos, o novo O Rei Leão é bem mais sombrio e denso que o filme original. As motivações dos personagens são mais bem explicadas, a violência realmente acontece em primeiro plano e alguns dos aspectos mais lúdicos são retirados.

Guerra e Paz

Uma das maiores modificações na narrativa de O Rei Leão é a guerra tácita que vem acontecendo na natureza por anos.


No filme original, o ciclo da vida é estabelecido logo no início como a lei do Reino. As hienas sempre foram inimigas dos leões, mas mesmo assim procuravam evitar conflitos diretos.

No novo filme, os aspectos mais leves são deixados para trás, e uma versão bem mais madura das Terras do Reino é criada.

As hienas agora se rebelam abertamente contra Mufasa e o resto dos leões. O conflito é basicamente uma guerra fria que chega a esquentar em uma das primeiras cenas.

Além disso, Shenzi é a nova líder das hienas, uma ameaça importante mesmo longe de Scar. Mesmo se curvando para Mufasa, ela não hesita em criar uma verdadeira guerra ao tentar matar Simba à sangue frio.

Com a comédia fora das cenas, as batalhas se tornam cada vez mais impressionantes. A cena que as hienas atacam Simba é realmente assustadora e brutal.

Escolhas difíceis

A maioria dos personagens do filme recebem as mesmas características de suas encarnações originais. Em alguns casos, personagens coadjuvantes ganham motivações mais complicadas e objetivos definidos.

A razão disso? Aumentar a carga dramática da narrativa.

O ódio de Scar por Mufasa não é mais apenas uma consequência de sua busca pelo poder. Ao invés disso, o filme sugere que Scar era apaixonado por Sarabi, a esposa do irmão.

Ao mostrar a verdadeira natureza desse conflito, a batalha se torna bem mais emocionante e significativa.

Além disso, coadjuvantes como Zazu ganham mais importância. Em O Rei Leão original, o pássaro passa o segundo ato do filme preso em uma gaiola. No remake, ele se torna um mensageiro exilado, ainda leal à Sarabi. Nala também não é apenas uma caçadora, e sim uma lutadora pela liberdade, procurando aliados para a libertação de seu lar.

Musical?

O filme original de O Rei Leão foi construído da mesma maneira que um musical da Broadway. Dessa forma, grande parte da história revolvia em torno das músicas e dos números de dança e coreografia, deixando tudo mais lúdico e, de certa forma, infantil.

O novo O Rei Leão, no entanto, não tenta ser um musical. O filme conta com várias canções, mas não orbita em torno delas. O tom é diferente, principalmente pelo realismo dos personagens.

Dessa forma, infelizmente, poucas músicas causam o impacto das canções do original. Ao investir em profundidade dramática, o novo O Rei Leão acabou perdendo em dinamismo e encanto. Mesmo assim, é um ótimo filme.