Uma das atrações mais esperadas para o painel da Marvel Studios na San Diego Comic-Con, e uma que todos os fãs já estavam antecipando, era a confirmação oficial de Os Eternos, a próxima grande aposta do estúdio em personagens mais obscuros das HQs – e que mesmo entre os fãs, já não são exatamente os mais populares e adorados. 

Porém, a Marvel Studios quer lançar os heróis divinos da editora em uma franquia popular, visando o mesmo resultado alcançado por Guardiões da Galáxia, que também, não eram personagens do primeiro escalão até o filme de James Gunn estourar. E um bom grupo de heróis precisa de um vilão à altura, o que nos leva aos principais vilões dos Eternos nos quadrinhos, e que devem estar no filme: a raça batizada de Deviantes.

Os Deviantes foram resultado de um erro no processo de evolução na Terra, que foi iniciado pela raça ancestral dos Celestiais, que nos quadrinhos foram criaturas cósmicas que criaram vida e civilizações. O Ego de Kurt Russell, que serviu como antagonista de Guardiões da Galáxia Vol. 2 e foi revelado como pai de Peter Quill, o Senhor das Estrelas, foi um dos últimos remanescentes da raça dos Celestiais.


A criação pelos Celestiais

Tudo começou há um milhão de anos atrás, nos primórdios do Universo da Marvel. Os Celestiais chegaram à Terra e começaram seus experimentos, usando uma tribo de Homo erectus para criar o que viria a se tornar os Deviantes. Gammenon, o Coletor levou os homens para Ziran, o Testador, que os experimentou com um genoma instável, gerando uma raça de DNA desestabilizado que apresentou mutações variadas que futuramente se desenvolveriam em poderes. Paralelamente, Nezarr, o Calcuador criou os Eternos, a versão “bem-sucedida” do experimento dos Celestiais na Terra.

Essas mutações acabaram garantindo a classificação de “mutates” para alguns dos Deviantes, que desenvolveram uma forma menos humana, com elementos bestiais e algumas habilidades especiais que o tornam em super-humanos; mas geralmente esses poderes não podem ser equiparados aos dos Eternos. A forma mais monstruosa dos Deviantes, inclusive, foi o que inspirou os mitos e folclore de ogros, trolls e orcs pela história da Humanidade, representando o quanto sua presença foi antiga no planeta.

Porém, os Deviantes desenvolveram tecnologias muito avançadas, como engenharia genética, quando os humanos ainda eram habitantes de cavernas. No período aproximado de 20.000 A.C., os Deviantes dominavam a maior parte do planeta, com exceção de Atlantis, habitando sua capital de Lemuria. Quando os Celestiais voltaram para a Segunda Vinda, eles declararam guerra contra seus criadores, e quase foram inteiramente extintos – com apenas algumas Deviantes se escondendo.

Diante do massacre, os Deviantes sobreviventes estabeleceram uma nova religião. Eles passaram a acreditar no Celestial Dormente, uma entidade divina que teria sido a verdadeira responsável por sua criação. A crença nessa figura também garantiu a ideia de que lhes foram garantidos o direito de reinar sobre a Terra, seguindo o chamado Livro de Krask como principal livro religioso.

Como podemos ver, é um conflito grandioso e complexo. Do tipo que não é simplesmente maniqueísta como a Marvel Studios costuma fazer em seus filmes, e que pode gerar algo realmente original e fascinante para Os Eternos.

O filme chega aos cinemas em 6 de novembro de 2020.