A franquia Brinquedo Assassino está se dividindo em duas frentes e os fãs estão confusos. Em 2019, além do reboot do filme clássico de 1988, também está sendo produzida uma série do personagem. O mais bizarro disso tudo é o fato de que as duas produções não estão ligadas e estão sendo feitas por grupos diferentes, tudo isso graças à uma briga pelos direitos da franquia de Chucky.

Em um artigo, o ScreenRant explicou toda a “treta” que envolve os direitos da franquia Brinquedo Assassino.

Um filme e uma série de TV

Brinquedo Assassino, primeiro filme da franquia, foi lançado em 1988. Chucky foi criado por Don Mancini e David Kirschner, dupla criativa que trabalha junto até os dias de hoje. Porém, para a surpresa dos fãs, a dupla original não está envolvida no remake de Brinquedo Assassino, lançado nesta semana.


Ao invés de participar do reboot, Mancini e Kirschner estão trabalhando em uma série de TV de Chucky, que está sendo produzida pela Universal. Convidados para participar da produção do reboot, ambos recusaram. Mas porquê?

O motivo disso tudo é uma briga pelos direitos cinematográficos de distribuição do filme original do personagem, que pertencem a MGM – que produziu o filme de 1988 – e não aos criadores de Chucky. Com isso, a MGM decidiu fazer um reboot na franquia sem consultar a dupla criativa, que decidiu produzir, portanto, uma série de TV baseada também no filme original, que nada tem a ver com os novos rumos da franquia nos cinemas.

MGM x Universal

Ao longo dos anos, diversos estúdios foram detentores dos direitos de distribuição da franquia Brinquedo Assassino. A MGM distribuiu o filme original, mas a Universal conseguiu os direitos para os três filmes seguintes. O quinto filme foi distribuido pela Rogue e Relativity Media, e o sexto e o sétimo voltaram para a Universal.

Em 2018, Mancini e Kirschner anunciaram a série do Brinquedo Assassino, que será produzida e distribuída também pela Universal – e exibida pelo SyFy.

A MGM ainda tem os direitos originais de Brinquedo Assassino

Cinco meses depois do anúncio da série de Brinquedo Assassino, feita por Mancini e Kirschner, a MGM anunciou o reboot do filme de 1988. Mancini e Kirschner não conseguiram impedir a MGM de fazer o remake, já que o estúdio possui os direitos do filme original e tem, portanto, o direito de fazer o que bem entender com eles.

Isso explica o fato do novo Brinquedo Assassino não ter o envolvimento de nenhum dos criadores do filme original, não tendo nem mesmo a presença do ator original de Chucky. Com o reboot – que muda a origem e a mitologia em torno do personagem – a MGM pode produzir quantas sequências quiser, baseadas nesse novo filme.

Enquanto isso, Mancini e Kirschner estão livres para produzir histórias baseadas na visão particular deles de Chucky, como veremos na série de TV. No fim das contas, na prática teremos duas franquias de Brinquedo Assassino ao mesmo tempo e quem ganha com isso são os fãs do personagem.

O reboot de Brinquedo Assassino está em exibição nos cinemas brasileiros.