A primeira temporada de 13 Reasons Why já foi muito polêmica, tratando assuntos como bullying e suicídio, mas então a série voltou para uma segunda temporada, e desta vez os tópicos controversos tratados incluíram agressão sexual e tiroteios nas escolas.

Ainda indiferente ao alvoroço, a terceira temporada de 13 Reasons Why também mostrou uma nova personagem se envolver com um estuprador conhecido e alguém sendo acusado de assassinato.

Com um programa tão divisivo sendo tão popular ao mesmo tempo, aqui estão as maiores controvérsias de 13 Reasons Why, a série mais polêmica da Netflix.


O suicídio de Hannah

Sem dúvida, a maior controvérsia que 13 Reasons Why enfrentou foi sua decisão de mostrar o suicídio de Hannah Baker em detalhes gráficos. O enredo já havia causado protestos, com muitos grupos de pais alegando que isso influenciaria adolescentes impressionáveis ​​e que glamorizava o suicídio.

O produtor Brian Yorkey e o elenco defenderam o programa, afirmando que estavam tentando promover conversas entre adultos e adolescentes e ensinando sobre o poder de procurar ajuda.

No entanto, após o conselho de especialistas médicos, a Netflix tomou a decisão de remover a cena controversa em que Hannah tira a própria vida, dois anos depois de sua primeira exibição.

Os dois lados do debate têm pontos válidos: para quem pensa em suicídio, a cena pode ser um gatilho fatal. Por outro lado, a dor visível pela qual Hannah passava poderia facilmente servir como um forte impedimento para quem pensava que o suicídio era uma saída fácil.

Indiscutivelmente, porém, a cena que serviu como o maior impedimento de todos foi a mãe de Hannah descobrir o corpo de sua filha.

O estupro de Hannah, Jessica e Chloe

Outra crítica importante para 13 Reasons Why na primeira temporada foi a descrição de violência sexual, mais especificamente o estupro de Jessica e Hannah por Bryce. Novamente, os produtores defenderam a escolha dizendo que estava destacando um tópico importante que não foi mencionado o suficiente.

Embora seja fácil concordar que deveríamos discutir consentimento, pressão dos colegas e estupro com nossos adolescentes, 13 Reasons Why se concentrou muito mais no comportamento de Bryce, o autor, em vez do impacto que suas ações tiveram sobre suas vítimas.

13 Reasons Why não fez apenas isso na primeira temporada, mas também na segunda temporada, quando Bryce estuprou Chloe, sua namorada na época.

Cultura das drogas

As drogas fazem parte da vida escolar, e isso é um fato inevitável. No entanto, nem todos os jovens se envolvem nesse tipo de coisa e nem com tanta intensidade como vimos em 13 Reasons Why.

Bryce Walker é rico e, obviamente, tem renda disponível, mas também devemos acreditar que Justin, que foi abandonado por sua família e não é rico, tem os meios para ser um viciado em drogas.

A série parece pensar que todos os encontros de adolescentes envolvem automaticamente o uso pesado de drogas, especialmente do time de futebol, que deveriam ser os melhores atletas da escola. É outro exemplo do programa focado no aspecto negativo da vida escolar, e não na promessa de um futuro brilhante.

A cultura do bullying

O bullying e a cultura esportiva masculina tóxica dominadora em Liberty High são um fator importante em 13 Reasons Why. Hannah foi incansavelmente intimidada e agredida pelos atletas da escola.

Novamente, alguém poderia argumentar que 13 Reasons Why está destacando uma questão importante em nossas escolas, e isso pode ser admirável. Mas a falha é resolver o problema.

Não foi até a terceira temporada que vimos um diretor bastante favorável, permitindo que Jessica fizesse uma assembléia escolar com base no movimento #MeToo. Não existe uma estratégia de disciplina para lidar com o bullying, não nos são mostradas as consequências do comportamento dos atletas, e, portanto, o programa falha em destacar a questão de uma maneira útil.

De qualquer forma, apenas promove o fato de que, se você é um jogador de esportes branco e hétero na escola, pode se safar de praticamente qualquer coisa.

O ataque a Tyler

Outra vítima do bullying contínuo é Tyler Down. Desde o início, 13 Reasons Why seguiu a jornada de Tyler, de um estudante tranquilo de fotografia até chegar totalmente armado para o baile. A escola fez vista grossa para todos os problemas de Tyler, dado o quão abertamente ele foi intimidado.

Monty, um membro do time de futebol, foi uma verdadeira pedra no sapato de Tyler, tornando sua vida cada vez pior até que tudo culminou em um terrível ataque físico e sexual.

A representação extremamente gráfica de Tyler sendo sodomizado e espancado com um cabo de vassoura, sem surpresa, provocou indignação, e o aviso que precedeu o programa não parecia suficiente.

A tentativa de massacre de Tyler

O debate sobre o controle de armas na América já dura há algum tempo e, infelizmente, os tiroteios nas escolas são ocorrências frequentes.

Indiscutivelmente, então, a decisão de 13 Reasons Why de fazer com que Tyler tentasse um tiroteio em massa estava apenas levantando a discussão e a conscientização de um problema que afeta a maioria das crianças das escolas americanas – mas, novamente, foi a maneira como o programa lidou com isso que causou o problema.

Tyler chegou à sua decisão com base no ataque que ele havia sofrido e no ponto culminante do assédio moral de longa data. No entanto, não havia uma visão detalhada sobre o estado de saúde mental de Tyler quando ele fez sua escolha, assim como não havia com Hannah quando ela tirou a própria vida.

A maneira como a tentativa de cena se desenrolou, no final da segunda temporada, foi mal tratada. Clay Jensen entrou na frente da arma de Tyler e o convenceu a não seguir adiante, antes que Tony e Clay removessem Tyler da cena do crime e depois descartassem suas armas.

Como se isso não bastasse, na terceira temporada, fica claro que, em vez de deixar alguém descobrir sobre a tentativa de Tyler, Clay e seus amigos se revezam em cuidar de Tyler para que ele nunca esteja sozinho.

A implicação de que um grupo de crianças de 17 anos possa lidar com as consequências de uma tentativa de tiroteio em massa, bem como fornecer cuidados adequados para um amigo mentalmente doente, é perigosa.

A liberdade condicional de Bryce

Quando as fitas de Hannah, detalhando suas 13 razões, foram divulgadas, todos ouviram a confissão de Bryce. Clay secretamente o gravou admitindo que ele estuprou Hannah e Jessica, e a segunda temporada o mostrou em julgamento.

É claro que, enquanto ele estava de pé, na verdade era Jessica quem teve que suportar o julgamento real, ser rotulada de vagabunda e ser informada de que ela estava pedindo por aquilo. Bryce foi retratado como um atleta importante, de um bom lar, e um estudante cujas chances de entrar na faculdade seriam arruinadas se condenado por estupro.

O resultado foi que ele recebeu um período de três meses em liberdade condicional por seus crimes, enquanto Jessica (e posteriormente Chloe) teve que viver com o que ele fez com elas.

Era muito tarde para Hannah. Embora sua sentença tenha causado controvérsia e raiva entre os fãs, infelizmente, muitas vezes é refletida nas salas dos tribunais de verdade.

O relacionamento de Ani com Bryce

A introdução de Ani na terceira temporada foi recebida com uma reação tão feroz dos fãs que Grace Saif, que interpreta Ani, foi forçada a deixar as redes sociais. Enquanto perseguir uma atriz que interpreta uma personagem fictícia está completamente errado, é fácil ver por que Ani foi tão detestada.

Primeiro de tudo, ela se colocou bem no meio dos problemas com os quais Clay e seus amigos estavam lidando, apesar de não conhecer sua história compartilhada. Sua falta de sensibilidade era espantosa, como perguntar a Chloe se Bryce sabia que ela estava grávida, logo depois que se conheceram.

Ela também trabalhou na vida de Jessica, aconselhando-a em seu estupro e recuperação, o tempo todo cortejando um relacionamento com o mesmo homem que já havia estuprado três garotas.

Todo o propósito da personagem parecia humanizar as ações desprezíveis de Bryce Walker, e como Bryce nunca parecia ter características redentoras, era muito pouco, muito tarde. Além disso, Ani parecia mais preocupada em garantir que alguém fosse condenado pelo assassinato de Bryce que em sua morte em si.

Quando Clay pareceu ser culpado, Ani tentou colocar a culpa em outra pessoa – a pessoa errada.

A história de Monty na terceira temporada

Monty era um personagem inerentemente antipático desde o início. Ele passou a maior parte da primeira temporada próximo de Bryce e aprendendo seus hábitos e comportamentos, o que o fez se tornar um valentão.

Foi na segunda temporada que Monty se tornou mais independente e, como seu mentor, não havia um recurso de redenção à vista. Ele intimidou Tyler sem parar, agrediu e violou-o e, como parecia por toda a terceira temporada, se safou.

Como se viu, Monty tinha um segredo: ele era gay e lutava para aceitar a própria sexualidade. Quando Tyler conseguiu procurar ajuda para o seu ataque, Monty foi preso e encarcerado e posteriormente morto em sua cela. Ao mesmo tempo, Ani colocou nele a culpa pelo assassinato de Bryce, mesmo que ele tivesse um álibi: ele estava dormindo com um aluno de outra escola na época.

Monty agora está morto, e não conseguiremos ver o personagem aprendendo a aceitar sua sexualidade ou lidando com as consequências de suas ações. Como tantos enredos em 13 Reasons Why, este controverso episódio é mais uma vez jogado fora sem lições reais aprendidas.