Estamos entrando no outono americano, e isso significa algo importante para a indústria de Hollywood: a temporada de prêmios. E ainda que cerimônias como o Oscar demonstrem uma certa resistência a obras populares, filmes de quadrinhos têm cada vez mais se mostrando presentes na festa.

No Oscar deste ano, Pantera Negra fez história ao ser o primeiro longa de super-heróis concorrendo na categoria de Melhor Filme, saindo bem representado também com três vitórias em categorias técnicas. Já tendo quebrado essa barreira, naturalmente a Marvel Studios e a Disney colocam as fichas em Vingadores: Ultimato, maior lançamento do estúdio (e também de todos os tempos) e uma das obras mais populares do ano.

O estúdio deve pegar pesado na campanha, já que hoje mesmo o estúdio começou a marcar sessões especiais do filme para membros da Academia, no processo chamado de “For Your Consideration”, que visa ganhar o amor dos votantes. Está bem claro que a Disney vai perseguir duas categorias em especial: Melhor Filme e Melhor Ator Coadjuvante para Robert Downey Jr., que trouxe sua performance final (pelo menos até a estreia de Viúva Negra) como o herói Homem de Ferro, e conquistou o público pelo desfecho trágico e nobre de Tony Stark.


Não merece

Mas, sendo bem sincero, Vingadores: Ultimato não merece nenhuma dessas indicações. Downey Jr. sempre trouxe um ótimo trabalho com Tony Stark, mas se havia uma hora para lembrar de sua performance, era em 2008 com o primeiro filme. Mais de uma década depois, a magia não bate tão forte, por mais que o ator traga bons momentos dramáticos em sua performance derradeira. Sem falar que colocar Robert Downey Jr. como ator COADJUVANTE é uma grande trapaça; é literalmente o maior rosto no pôster e o primeiro nome na chamada dos créditos.

Quanto a Melhor Filme, temos ainda mais o que falar. Vingadores: Ultimato é sim um ótimo filme, extremamente divertido e que traz uma bela celebração dos 11 anos do MCU. Mas pensem nele como um filme isolado, sem o universo da Marvel a seu redor. É um longa que literalmente depende de seus anteriores, sendo também a “Parte 2” de uma história, e a Academia raramente lembra de continuações na categoria principal; geralmente indicando a franquia toda – como foi o caso de O Poderoso Chefão e O Senhor dos Anéis. A indicação de Pantera Negra faz muito mais sentido, não só pelo impacto cultural nos EUA, mas também por estarmos falando de uma história isolada.

O que certamente dará força à campanha de Ultimato é sua bilheteria, naturalmente. Antigos reis do pódio da bilheteria, Avatar e Titanic também foram indicados ao Oscar de Melhor Filme – com o segundo se tornando um dos campeões de vitórias por muitos anos. Será que o maior filme de todos os tempos passará sem uma indicação na categoria central? A Disney certamente tentará emplacar o filme ali.

Quanto a Melhor Direção e Roteiro Adaptado… Sem chance.

Categorias que o filme merece (e deve ser indicado)

Não que Ultimato não mereça sua parcela de indicações, algo que indubitavelmente vai acontecer em um setor técnico. Como Vingadores: Guerra Infinita foi lembrado em Melhores Efeitos Visuais, certamente podemos apostar na dobradinha de Ultimato aqui – e até venceria, não fosse a competição extremamente pesada do remake digital de O Rei Leão, um filme feito unicamente para ganhar essa categoria.

Aposto também que o filme será lembrado em Edição de Som e Mixagem de Som, categorias que a Academia gosta de entregar para filmes blockbusters bem-sucedidos – e Ultimato faz um bom trabalho nesse departamento. Uma área que tenho minhas dúvidas, mas não ficaria surpreso, é na Montagem, já que temos aqui um filme de 3 horas que construiu um ritmo sólido e empolgante – vale lembrar que a Academia já lembrou de filmes de ação como Batman: O Cavaleiro das Trevas e Star Wars: O Despertar da Força nessa categoria, mesmo sem estarem concorrendo à categoria principal.

Mas se há uma categoria que o filme realmente merece é Melhor Trilha Sonora. Alan Silvestri é um veterano, e trouxe um tema musical verdadeiramente icônico com Os Vingadores, e neste novo filme, ele é usado de forma impactante e que garante os melhores momentos do longa – a cena dos portais não teria metade de sua força sem a música sensacional de Silvestri.

Claro, só saberemos como a brincadeira vai terminar em janeiro de 2020, quando as indicações ao Oscar serem anunciadas. Você indicaria Vingadores: Ultimato ao maior prêmio do cinema?