Angelina Jolie é um dos nomes mais identificáveis não apenas de Hollywood, mas de toda a indústria do entretenimento. Desde seu estouro na década de 90 até agora, a atriz se reinventou como diretora e produtora, e agora volta a assumir os holofotes com a grande potência do cinema blockbuster contemporâneo: a Walt Disney. De certa forma, já que a atriz tem duas grandes franquias no estúdio, não seria exagero considerar Jolie como uma “Princesa da Disney”.

Primeiro, claro, falamos sobre seu primeiro contato com a empresa chefiada por Bob Iger. Ele veio justamente com Malévola, filme que serviu como derivado e reimaginação de A Bela Adormecida, sendo concentrado em uma versão live-action da vilã. Mas, claro, essa repaginada acabou transformando Malévola em anti-heroína, ganhando uma história trágica e que tenta justificar o comportamento da personagem – que, à medida em que o longa avança, vai se tornando a figura materna da Princesa Aurora, vivida por Elle Fanning.

Malévola pode não ter causado uma impressão tão grande na cultura pop ou com a crítica, mas estamos falando de Hollywood. O longa fez um dinheiro considerável nas bilheterias, rendendo a tardia continuação Malévola: Dona do Mal. Até o fechamento deste artigo, o longa não recebia boas críticas no agregador do Rotten Tomatoes, ainda que a Disney espere um resultado competente nas bilheterias. Se o rendimento for alto, nada impede que Malévola ganhe um terceiro filme – e vale lembrar que o sucesso do original também começou uma onda de filmes de “vilãs”, já que Emma Stone estrela o vindouro Cruella, que chega em 2021.


A Era de Thena

Mas é mesmo com a Marvel Studios que Jolie pode dar a guinada de sua carreira, estabelecendo-se como um dos nomes mais fortes do futuro do estúdio, que inicia sua Fase 4 após o sucesso bilionário de Vingadores: Ultimato. Jolie fez sua entrada triunfal na San Diego Comic-Con ao lado dos demais integrantes do elenco de Os Eternos, que ainda incluem Richard Madden, Kumail Nanjiani, Salma Hayek, Brian Tyree Henry, Dong-seok Ma, Lia McHugh e Lauren Ridloff. Ela foi confirmada no papel de Thena, que nos quadrinhos é a primeira líder dos Eternos na Terra, e parece um papel feito sob medida para a atriz.

Jolie sempre quis interpretar Cleópatra nos cinemas, e Thena está quase ali. A personagem é uma das Eternas mais antigas da Marvel, originada na Grécia Antiga e que acabou tendo uma longa passagem pela história dos humanos. Ela inclusive chegou a trabalhar nas Indústrias Stark, escondida, então não duvidem de alguma conexão entre Athena e o falecido Homem de Ferro no MCU.

E quando falamos sobre poderes, Angelina Jolie não vai ficar desfalcada perto de Thor, Feiticeira Escarlate ou mesmo a Capitã Marvel de Brie Larson. Como os fãs de quadrinhos bem sabem, Thena possuí velocidade e força e habilidade de regeneração sobre-humanas. Pode voar, gerar ilusões, transmutar matéria, possuindo habilidades de telepatia e teletransporte.

E Star Wars?

É engraçado considerar a existência “quadrados” a serem marcados pelos atores que trabalham com a Disney. Basicamente: remakes live-action, filmes da Marvel e a saga Star Wars, visto que são as principais propriedades de posse do estúdio atualmente. Lupita Nyong’o (Mogli: O Menino Lobo, Pantera Negra, Star Wars: O Despertar da Força) e Donald Glover (O Rei Leão, Homem-Aranha: Longe de Casa, Han Solo: Uma História Star Wars) são exemplos desse feito. E só falta um item para a atriz riscar da lista.

Jolie já demonstrou interesse em fazer parte da saga Star Wars, revelando conversas com Jon Favreau (showrunner de The Mandalorian) sobre uma possível colaboração. É isso o que falta para a atriz fechar a “Trinca Disney”, mas a verdade é que Angelina Jolie já se tornou uma das figuras mais valiosas do estúdio.