Apesar de ter trabalhado muito bem com vários de seus heróis durante a primeira saga nos cinemas, a Marvel acabou errando um pouco a mão em outros personagens.

Um nome importante que acabou não sendo tão bem desenvolvido quanto poderia é Hulk, e explicamos hoje os motivos disso.


O problema com a Universal

Os direitos do Hulk eram de propriedade da Universal, que produziu o primeiro filme live action em 2003. No entanto, o prazo para o desenvolvimento de um novo longa expirou, e a propriedade voltou à Marvel.

Apesar da Marvel poder trabalhar com o personagem, os direitos de distribuição de qualquer filme solo do Hulk permaneceram na Universal, e essa configuração continua em vigor até hoje.

Efetivamente, isso significa que a Disney e a Marvel Studios não podem lançar um filme solo do Hulk sem que seja legalmente obrigados a deixar a Universal distribuí-lo.

Foi basicamente isso que acontecem em 2008, quando Marvel e Universal se uniram em uma parceria para o lançamento de O Incrível Hulk. No entanto, assim como o primeiro longa, este também teve uma recepção morna do público e da crítica.

A falta de espaço para o desenvolvimento

A solução alternativa da Marvel passou a ser a utilização do personagem apenas em filmes de equipe, como Os Vingadores, ou como personagem coadjuvante, como em Thor: Ragnarok.

Não ter a opção de fazer filmes solo do Hulk restringe muito o personagem do MCU em termos de desenvolvimento.

Tanto a série dos anos 70 quanto os dois filmes solo trabalham com uma abordagem que mostra apenas a história origem, a frágil dinâmica entre Banner e seu alter ego, e o herói tentando evitar aqueles que querem o deixar com raiva.

Nenhuma das produções se aventura além dessa simples premissa, ignorando os desenvolvimentos mais significativos e interessantes do personagem.

Isso inclui as revelações de que os traumas mentais do passado de Bruce ajudaram a criar sua persona dividida, as múltiplas iterações de Hulk que habitam o corpo de Banner e a ampla seleção de aventuras fantásticas que o personagem já viveu.

O Hulk do MCU

No MCU, mesmo não tendo seu filme solo, Mark Ruffalo ajudou a criar versões de Bruce Banner e Hulk que foram memoráveis ​​e emocionantes de assistir, além de introduzir algumas novas facetas do personagem.

No entanto, continuou a sensação de que o verdadeiro potencial do Hulk visto nos quadrinhos ainda está, em grande parte, inexplorado, principalmente após a apatia do herói em Guerra Infinita e Ultimato.

Mesmo trazendo uma nova personalidade, a história apenas arranha a superfície e não se aprofunda na instabilidade que levou Banner a alcançar essa nova forma.

Talvez o maior problema com Hulk no MCU seja que o público costuma ver o produto final, mas não sabe os detalhes de como o personagem chegou lá.

Série da Mulher-Hulk

Com a recente expansão do MCU para o serviço de streaming Disney+, a Marvel agora tem a oportunidade de levar o Hulk, ou pelo menos seu conceito, a novas variadas direções criativas.

A Mulher-Hulk foi confirmada em sua própria série solo e como parte de uma franquia mais ampla, abrindo um leque de novas oportunidades para a mitologia do personagem.

Atualmente, não se sabe se o Hulk de Mark Ruffalo aparecerá, mas independentemente da sua presença ou não, o caminho está definido para adaptar algumas áreas anteriormente inexploradas dos mitos dos quadrinhos do herói.