Lançado em 1997, Titanic é um dos maiores filmes da história do cinema. James Cameron comandou o épico de romance estrelado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, marcando uma geração inteira, arrebentando recordes nas bilheterias e ainda saindo premiado com nada menos do que 11 estatuetas do Oscar. Não é um feito qualquer.

Romance de Jack e Rose

Como podríamos imaginar, o romance entre os protagonistas de DiCaprio e Winslet é completamente fictício. Jack Dawson e Rose DeWitt Bukater nunca aconteceu, sendo apenas uma forma de Cameron criar uma conexão humana para que o público pudesse seguir. E, convenhamos, foi essencial para criar uma história envolvente e que comoveu toda uma geração.

Scene from Titanic

Coadjuvantes reais

Por mais que seus protagonistas sejam fictícios, Titanic ainda traz personalidades que realmente existiram em uma capacidade menor da história. Por exemplo, Victor Garber interpreta Thomas Andrews, que foi responsável pelo design do Titanic, aparece em algumas cenas; e sua morte é condizente com os eventos. Molly Brown (vivida por Kathy Bates) também existiu, e seu comportamento mais calmo e a atitude de ajudar os demais passageiros a seguirem para os botes é fiel.


Outro detalhe interessante é o casal de idosos que morre durante o naufrágio, abraçados em uma cama. Trata-se de uma representação de Isidor e Ida Straus, casal que fundou a gigante loja de departamentos Macy’s.

O naufrágio

Detalhista como é, James Cameron trouxe um retrato bem fiel da forma como o navio afundou. Ele se partiu ao meio, e então a parte da popa se elevou, afundando de forma constante. A diferença, porém, é pequena: a parte de trás não se levantou em um ângulo de 90 graus de forma tão imponente como vemos no filme.

O próprio Cameron assumiu em entrevistas em 2012, durante o relançamento do filme em 3D, que tomou essa liberdade para tornar o momento – que traz Jack e Rose na grade do navio – um pouco mais dramático. Justíssimo.

Sobre os músicos

Um dos momentos mais icônicos de Titanic é quando um trio de músicos começa a tocar enquanto todos os passageiros evacuam o navio. Notavelmente, a banda toca a melancólica “Nearer, My God, To Thee”, o que certamente torna a cena mais dramática.

Mas de acordo com um dos sobreviventes do naufrágio, a banda estava tocando músicas mais alegres e animadas, de forma a tornar a experiência traumática um pouco mais suportável.