Protagonizado por Joaquin Phoenix, Coringa, lançado pela Warner Bros em outubro, já foi visto por mais de 7 milhões de brasileiros e se tornou um dos filmes mais rentáveis da história do cinema, batendo a marca de US$ 1 bilhão em bilheteria mundial.

Coringa conta a história por trás do icônico palhaço e inimigo número um do Batman, mas a produção ganhou um novo significado no quesito artístico, com a atuação de Phoenix, que mesmo como vilão da história, consegue conquistar a empatia do público ao se colocar como um simples humano traumatizado por uma vida conturbada.

No filme, a exploração das tragédias que assolam a humanidade reflete o espelho de nossa sociedade atual, em que muitos vivem na era digital de relações superficiais. A frase repetida no longa, “put on a happy face” – faça uma cara feliz, em português -, pontua a necessidade de se mostrar sempre de bom humor para as pessoas, esquecendo aquilo que realmente se está sentindo ou escondendo consciente ou inconscientemente.


Como mudar essa mentalidade? Essa é uma pergunta interessante, pois estamos acostumados a esconder nossos sentimentos, às vezes por medo da rejeição, às vezes por achar que somos os únicos que pensam assim. Mas não estamos sozinhos e é preciso verbalizar para que possamos realmente sorrir por vontade própria e não por imposições da sociedade.

Pensando nisso, Uranio Bonoldi, professor da Fundação Dom Cabral, separou três lições que podemos tirar de Coringa. Confira a seguir:

Ressignifique

Atribuir um novo significado a todas as situações difíceis que tenham marcado a sua vida de alguma forma, não é fácil, mas é preciso. “Desenvolva um novo ponto de vista. Ressignificar auxilia na construção de novos paradigmas, além de desenvolver o autoconhecimento e a criatividade, criando outra importância aos acontecimentos do cotidiano”, argumenta Bonoldi.

Liberte-se

Sabe aquelas crenças que nos colocam como únicas verdades? Como só ser possível encontrar a felicidade caso esteja em um relacionamento amoroso, tenha muito dinheiro, etc? Não precisamos levar para nossas vidas aquilo que querem nos impor.

“Uma mente aberta consegue superar esses paradigmas impostos pela sociedade, é importante trabalhar a nossa liberdade de escolha, evitando se deixar levar por influências oriundas de crenças que não fazem sentido algum nos dias de hoje”, enfatiza Uranio.

Recomece

O poder da resiliência e de adaptação está em saber recomeçar após cada tropeço, e o mais importante é saber que nunca é tarde para novos começos. Trilhar caminhos inéditos é importante para o crescimento pessoal.

“Os recomeços são necessários, pois na vida encontramos diversos desafios, somos questionados e sobrecarregados, por isso a importância de saber se adaptar às mudanças e procurar novos caminhos e soluções”, finaliza Bonoldi.

Talvez por isso Coringa tenha feito tanto sucesso: pelo incômodo em nos vermos nele, – nossas fragilidades como o medo, incertezas, fantasias, o desejo de agradar, o fazer o que não desejamos fazer, enfim, ser o que não somos e, por fim, a libertação.