Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo foi publicada pela primeira vez pela DC em 1989 – um tempo na história dos quadrinhos de super-heróis que o escritor Grant Morrison descreve em suas anotações para o livro como sendo “realista e cerebral”. Morrison queria sua própria versão de Watchmen e O Cavaleiro das Trevas.

2019 marca o aniversário de 30 anos da HQ da DC, justamente no mesmo ano em que uma nova versão do Coringa aparece nos cinemas. No entanto, se Coringa é complexo com suas emoções, Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo impressiona muito mais pelas imagens espelhadas, dualidade e subversão da ideia de tempo.

A história em quadrinhos também é inspirada abertamente por Alice no País das Maravilhas, com citações ao conto de fadas de Lewis Carroll. Na trama, o Batman se vê atraído – por um convite de Coringa – ao Asilo Arkham, que foi assumido pelos detentos no Dia da Mentira, mudando completamente na “casa dos pesadelos”.


Coringa: a grande estrela

Mesmo com Batman como protagonista, Coringa é grande destaque em Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo. Mas trata-se de uma versão nova do vilão, muito mais bizarra e arrepiante.

Enquanto A Piada Mortal, de Alan Moore, permanece o conto de Coringa mais popular de todos os tempos, Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo trabalha com elementos parecidos. Ambas as histórias da DC invertem a suposta sanidade de Gotham City de cabeça para baixo e lidam com a ideia de levados ao ponto de ruptura por sistemas sociais frágeis e cruéis.

Este Coringa é o que Joaquin Phoenix e nem mesmo Heath Ledger poderiam ser: ele se enxerga meio que como um namorado estranho do Batman, assediando-o sexualmente e se exibindo com sapatos femininos. Seu diálogo é traduzido como um rabisco sangrento, quase indecifrável.

Ruth Adams, uma das psicanalistas capturadas no Asilo Arkham, afirma que ele sofre de algum tipo de “super sanidade”, algo que ela compara à síndrome de Tourette. “O Coringa parece não ter controle sobre as informações sensoriais que está recebendo do mundo exterior. Ele só pode lidar com essa barragem caótica de informações seguindo o fluxo.”

Em outras palavras: “Ele não tem personalidade real”, daí a personalidade do palhaço. “Ele se cria todos os dias.” Os ecos disso podem ser ouvidos na versão de Phoenix, quando ele revela que se vê como “nada” e acredita em “nada”.

Personalidade vazia

Essa ideia é o personagem mais assustador, que embaixo do branco, vermelho e verde é… um buraco em forma de pessoa onde deveria estar uma identidade, e não onde estava uma vez. Mas uma das armadilhas de qualquer tipo de história do Coringa sem Batman é a ausência de luz para o vilão lançar sua sombra.

Infelizmente, Coringa torna isso ainda mais pronunciado ao distanciar o personagem quase inteiramente da sangrenta revolução que ele acidentalmente inicia, o que o torna estranhamente inerte durante a maior parte de sua própria história. A sombra que ele lança sobre Batman em Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo, por outro lado, é realmente muito sombria.

Batman não tem medo de nada”, diz Batman a Jim Gordon antes de entrar no Asilo. “Sou eu, eu tenho medo. Eu tenho medo que o Coringa esteja certo sobre mim. E eu tenho medo que quando eu entrar em Arkham e as portas se fecharem atrás de mim… Será como voltar para casa.”

Entrelaçada nisso tudo está a origem do próprio Asilo – um pequeno pedaço da mitologia do Batman que Morrison tirou de Len Wein. Após a morte de sua mãe doente mental, Amadeus Arkham se comprometeu a ajudar “homens cujo único crime é uma doença mental, presos no sistema penal sem esperanças de tratamento”.

Sua casa de família que virou casa para criminosos insanos agora está cheia de lendas urbanas: passagens secretas, uma “porta sangrenta” e supostamente o fantasma do próprio Amadeus. Além da presença de uma dupla face quase curada, a dualidade é onipresente ao longo da história, assim como na história de Batman e Coringa: sanidade e insanidade, passado e presente, ciência e sobrenatural e o real e o surreal.

Quanto mais a jornada de Amadeus progride no passado, mais o tempo entra em colapso: ele encontra um cartão do Coringa no quarto da filha e é lembrado de uma brincadeira do Dia da Mentira. Mais tarde, ele acha que pode ouvir risos vindos de uma cela vazia e se vê no espelho com o rosto de um palhaço.

Ele vê seu peixe-palhaço de estimação fazendo o signo de Peixes – o signo da lua nas cartas do Tarô, as ferramentas que os psicólogos tentam usar para quebrar a obsessão de Harvey Dent. Isso reflete a observação de Dent, décadas depois do tempo de Amadeus, de que a lua se parece com o lado marcado de sua moeda de prata.

O ponto em que essas linhas de tempo e opostos se fundem, como a lua que cobre o sol, é quando Batman encontra Crocodilo. A narração de Amadeus se sobrepõe à luta, quando ele descreve enfrentar seu próprio “dragão”, sua fé em Deus e a racionalidade abaladas.

E como Batman é perfurado pela mesma lança que ele usa para matar Crocodilo, Arkham fala de acordar de sua alucinação “não é mais capaz de dizer onde o dragão terminou e eu começo”.

De maneira semelhante à diferença de riqueza de Gotham, que alimentou o colapso da cidade em Coringa, a crise financeira de 1929 coloca Amadeus atrás das grades pela tentativa de assassinato de um corretor da bolsa. Em sua cela, ele canta o hino nacional dos Estados Unidos enquanto realiza um ritual que vincula seu espírito a Arkham para sempre.

Ambas as versões do Coringa, de 1989 e 2019, apresentam a loucura como uma espécie de clareza de consciência em um mundo moderno e caótico. Mas, enquanto Coringa é um gotejamento lento em um ralo sujo, Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo é um portal em redemoinho para outra dimensão vibrante.

Você viu que a DC anunciou sua série mais BIZARRA até agora? Esses 8 heróis da DC tem os mesmos poderes que heróis da Marvel! Saiba quais heróis da Marvel o Asa Noturna derrota ou não! O Batman de Titãs finalmente chegou… E os fãs odiaram! Mas o herói já esteve em outras séries… Confira as melhores! Veja como Brooklyn Nine-Nine foi oficializado no universo da DC graças ao Batman, a teoria de que Aqualad estará morto em Titãs e muito mais no Observatório de Séries.