A disputa entre Marvel e DC sempre foi uma das mais intensas da cultura nerd, e o ano de 2020 promete levá-la a outro extremo. Neste ano, tivemos duas obras seminais das respectivas editoras nas telas: de um lado, o épico Vingadores: Ultimato, que representa a culminação de 11 anos de histórias e 23 filmes interconectados em um evento grandioso. Do outro, temos o exato oposto com Coringa, um pesado estudo de personagem que não aposta em ação ou adrenalina. Ambos foram extremamente bem sucedidos, e tem ambições prestigiosas na temporada de prêmios. 

Os filmes de quadrinhos serão as principais apostas para o Oscar de dois dos maiores estúdios de Hollywood: a Disney e a Warner Bros. Com Pantera Negra tendo aberto a porta para produções de quadrinhos na Academia no último ano, nada mais apropriado que a indústria continue apostando em revitalizações do gênero. Afinal, a Academia precisa de mais audiência para sua cada vez mais fracassada transmissão do Oscar, e indicar Vingadores: Ultimato e Coringa nas categorias principais é uma ótima forma de garantir interesse popular; temos dois filmes com torcida, e ainda por cima são torcedores “rivais”. 

Celebrando um Universo

Mesmo que também esteja cuidando das campanhas da Fox e da Fox Searchlight, o foco da Disney é mesmo para Ultimato. As categorias técnicas parecem seguras, especificamente para efeitos visuais e as duas de som, mas a briga está mesmo para a categoria de Melhor Filme. A Marvel já organizou sessões do filme para membros da Academia. Mas o filme tem suas resistências, claramente.


Vingadores: Ultimato é sim um ótimo filme, extremamente divertido e que traz uma bela celebração dos 11 anos do MCU. Mas pensem nele como um filme isolado, sem o universo da Marvel a seu redor. É um longa que literalmente depende de seus anteriores, sendo também a “Parte 2” de uma história, e a Academia raramente lembra de continuações na categoria principal; geralmente indicando a franquia toda – como foi o caso de O Poderoso Chefão e O Senhor dos Anéis. A indicação de Pantera Negra faz muito mais sentido, não só pelo impacto cultural nos EUA, mas também por estarmos falando de uma história isolada. Ainda assim, pensem nos números de audiência.

O que certamente dará força à campanha de Ultimato é sua bilheteria, naturalmente. Antigos reis do pódio da bilheteria, Avatar e Titanic também foram indicados ao Oscar de Melhor Filme – com o segundo se tornando um dos campeões de vitórias por muitos anos. Será que o maior filme de todos os tempos passará sem uma indicação na categoria central? A Disney certamente tentará emplacar o filme ali.

A Piada Mortal

O caso de Coringa é mais interessante. O sombrio filme de Todd Phillips certamente rendeu uma das experiências mais polêmicas do ano, com um tratamento repreensível da mídia ao acusar o filme de “influenciar” pessoas e até de provocar atentados terroristas (que nunca aconteceram). De qualquer forma, o longa foi ovacionado e bem elogiado por seus defensores, além de ter sido bem abraçado pelo público. Seu grande prestígio encontra-se no Leão de Ouro, principal prêmio do renomado Festival de Cinema de Veneza – uma conquista que nenhum filme de quadrinhos já havia alcançado, e que por si só também se mostrava rara para projetos “comerciais” de grandes estúdios. 

Além de estar entre um dos favoritos para ser indicado a Melhor Filme, a grande categoria que fará os fãs torcerem é mesmo a de Melhor Ator, já que Joaquin Phoenix entrega um dos melhores trabalhos de sua carreira – e estamos falando de um dos talentos que injustamente ainda não foi reconhecido com um Oscar. Seria a oportunidade perfeita, especialmente por manter o legado de Heath Ledger e também por celebrar os 80 anos da criação do Coringa. E, claro, por ser uma performance absolutamente fantástica.

O balanço?

Acredito que a DC vai se sair melhor no Oscar 2020. Aposto em Coringa para ser reconhecido nas categorias de Melhor Filme, Ator, Design de Produção, Maquiagem, Trilha Sonora e Figurino – com a possibilidade de levar 3 vitórias, para Phoenix, a aterradora música de Hildur Guðnadóttir e talvez a maquiagem de palhaço.

Quanto a Ultimato, tenho certeza das indicações para Efeitos Visuais, Edição de Som e Mixagem de Som. Acho provável que a trilha de Alan Silvestri seja lembrada, assim como a categoria de Melhor Filme. Porém, chuto que o longa sairá de mãos vazias – a menos que triunfe sobre o CGI perfeito do remake de O Rei Leão, que é o favorito na categoria de Efeitos Visuais.

O Oscar 2020 acontece em 9 de fevereiro do próximo ano.