Assim como a HQ original, a série de Watchmen, da HBO, gosta de brincar com história alternativa do nosso mundo.

Um exemplo disso é o fato de que no universo de Watchmen, o ator Robert Redford se tornou Presidente dos EUA, abandonando sua carreira em Hollywood, o que é algo que nunca aconteceu na vida real.

Em uma entrevista com o site Film, Damon Lindelof, criador e showrunner da série de Watchmen, deu mais detalhes sobre o universo alternativo de Watchmen, que não conta com Robert Redford em Hollywood e nem com a existência do tão amado Universo Cinematográfico da Marvel, o MCU.


Um mundo sem o MCU?

Em Watchmen, Robert Redford se torna Presidente dos EUA em 1992, mantendo o cargo até os dias atuais da série, em 2019. Com isso, Redford nunca pode atuar em O Encantador de Cavalos (1998), filme que lançou a carreira de Scarlet Johansson (tanto em Watchmen quanto na vida real).

De acordo com Lindelof, Scarlet Johansson, nunca chegou a interpretar a Viúva Negra no MCU. No universo paralelo de Watchmen, a atriz viveu a personagem Black Sash em uma franquia intitulada Charlton’s Marauders, que conta uma história sobre piratas.

Ou seja, no mundo de Watchmen criado por Lindelof, o MCU foi substituído por essa franquia Charlton’s Marauders, que produziu filmes como Marauders: The Winter Pirate (uma versão de Capitão América: Soldado Invernal) e eventos como Crisis on Infinite Seas (referência a Crise nas Infinitas Terras da DC).

Os Marauders são os Vingadores deste mundo, o grupo de heróis mais popular do cinema. Além disso, o nome Charlton, atrelado aos Marauders, também tem um significado especial.

O nome Charlton é uma referência a uma empresa de quadrinhos que existiu entre 1945 e 1986. No mundo real, a empresa foi praticamente comprada pela DC, mas no universo alternativo de Watchmen a empresa é de fato a dominante no mercado de quadrinhos e super-heróis.

Damon Lindelof de fato manteve a tradição dos quadrinhos de Watchmen (de Alan Moore e Dave Gibbons), criando um criativo universo alternativo que faz referências (e brinca de forma sarcástica) com elementos do mundo real.