Esquadrão 6, o novo filme da Netflix com direção de Michael Bay, está cheio de acidentes de carro, tiroteios e explosões, mas são as sequências de parkour do filme que mais chamam atenção.

Em Esquadrão 6, Ryan Reynolds estrela como Um, um bilionário misterioso que, farto da inação do governo, finge sua própria morte e usa sua fortuna para financiar seu próprio time de elite. Cada membro do esquadrão de One tem um conjunto de habilidades único.

Sete, por exemplo, é um ex-atirador militar. Cinco é médica. Quatro, interpretado por Ben Hardy, é um ladrão reformado e um mestre do parkour.


Quando Quatro está liderando os capangas de um ditador em uma perseguição pelos arranha-céus de Hong Kong ou deslizando pela lateral do histórico Duomo de Florença, suas cenas de ação se destacam como algumas das melhores em todo o filme. Mas o que faz as acrobacias parecerem tão boas?

O Looper conversou com Toby Segar, responsável pelas sequências de parkour de Esquadrão 6, para descobrir.

As sequências são reais e espetaculares

Esquadrão 6 parece o mais legítimo de qualquer filme que eu já vi antes, porque as coisas realmente estão acontecendo”, disse Segar. “Os saltos são reais.”

Sim, a equipe tomou precauções de segurança. Os membros da produção do filme da Netflix usavam cabos durante saltos perigosos e existiam grandes colchões de segurança para o caso de alguma coisa dar errado.

No entanto, nada disso afetou os movimentos reais. “Os fios não influenciaram o movimento”, disse Segar. “As sequências não foram geradas por um computador. Elas realmente aconteceram daquela maneira.”

De fato, Segar estima que cerca de 90% dos saltos e acrobacias em Esquadrão 6 não foram afetados pelo CGI. Na maioria das vezes, quando os computadores foram usados, eles aprimoraram a ação, mas não a criaram.

“O CGI deixou alguns saltos mais altos no ar”, explicou. Mas as acrobacias ainda aconteceram, só não foram tão perigosas.

Como exemplo, Segar lembra de uma sequência que acontece em Hong Kong, quando Quatro desce um arranha-céu para escapar dos capangas que se aproximam. Essa sequência foi feita por Drew Taylor, que serviu como um dos dois dublês de Ben Hardy ao lado do colega Benj Cave.

“O Quatro está tentando escapar e dando alguns saltos no topo de grandes vigas”, disse Segar. “Drew estava realizando aqueles saltos a 9 metros de altura. Aquelas pequenas almofadas nas quais estava pulando são finas, pequenas e técnicas.”

Para Segar, é a sequência mais desafiadora do filme da Netflix. “Não havia nenhum perigo real a qualquer momento”, disse Segar, mas “manter a calma nessa altura, fazer cena após cena, com explosões e armas disparando ao seu redor” exige bastante esforço.

Segar credita a edição fiel de Bay por ajudar a fazer as cenas de parkour de Esquadrão 6 parecerem realistas também. “É tão incrível para nós que nosso trabalho não tenha sido massacrado na pós-produção. É uma das primeiras vezes em que acontece. Foi incrível.”

Uma força criativa a ser reconhecida

A equipe de Segar sabe um pouco sobre cinema. Enquanto os membros do grupo já apareceram em filmes como Doutor Estranho e O Retorno de Mary Poppins, eles também têm um canal no YouTube, que tem mais de cinco milhões de seguidores.

O canal publica dois vídeos por semana, e o grupo filmou dois documentários de longa-metragem: um na Tailândia e outro em Hong Kong e Tóquio.

De fato, foi o trabalho no YouTube que chamou a atenção de Michael Bay. “Michael Bay viu um dos vídeos de ponto de vista que filmamos em Hong Kong”, contou Segar, “e conseguiu uma equipe para entrar em contato imediatamente.”

Embora o próprio Segar tenha apenas um pequeno papel no filme da Netflix, todos os membros do grupo ajudaram a projetar as sequências de parkour de Esquadrão 6.

“Nos foi dado o local, iríamos procurá-los e, essencialmente, apresentamos o que poderíamos fazer nesses espaços”, disse Segar. Bay pegou clipes dos vídeos do grupo para mostrar os tipos de movimentos que ele queria, e os artistas do parkour trabalharam com a equipe de filmagem para dar vida à ação.

Bay até deixou o cinegrafista do grupo, Sacha Powell, filmar algumas cenas de parkour à mão, muitas das quais apareceram no filme final. “Sacha é um cineasta incrível”, disse Segar, “e Michael foi ótimo nisso. Ele adorou o que fizemos… Ficamos muito contentes com sua disposição.”

Amizade é mágica

Segar credita o sucesso da equipe à amizade entre seus companheiros. “É o vínculo, essa amizade, esse tipo de irmandade”, disse Segar. “Se isso não existe, as pessoas reconhecem. As pessoas podem dizer.”

Essa camaradagem também ajuda nos sets de filmagem. “Quando se trata de trabalhar com equipes de produção, trabalhando com pessoas como Michael Bay, tudo acontece mais rapidamente quando existe um bom trabalho em equipe”, Segar contou.

Não que não haja espaço para os outros, é claro. Enquanto gravavam Esquadrão 6, Taylor e Cave treinaram Ben Hardy no básico do parkour.

“A fisicalidade é realmente muito mais fácil de entender quando você coloca a cabeça no espaço certo”, explicou Segar. “Ben Hardy entendeu perfeitamente… Eu já vi algumas entrevistas com ele, onde ele descreve a essência do parkour de forma brilhante. Suponho que isso se baseie no tempo que ele passou com Benj e Drew.”

Obviamente, o grupo de dublês ainda acabou realizando a maioria das cenas de parkour de Esquadrão 6. Quando você faz movimentos assim, é melhor deixar o máximo possível para os profissionais.

Esquadrão 6 está disponível na Netflix.