Os fãs da DC finalmente tiveram sua primeira olhada em Mulher-Maravilha 1984 neste domingo (8), com o trailer oficial sendo divulgado com exclusividade no painel do filme na Comic Con Experience. E a recepção em torno da primeira prévia certamente foi positiva, além de deixar claro diversos aspectos do filme de Patty Jenkins. 

A começar pela ambientação na década de 80, presente no título da forma como Blade Runner 2049 engatilhou essa popularização. Posicionar a nova aventura de Diana Prince nesse ano, 1984, mostra que Hollywood definitivamente está fascinada pelos anos 80, um reflexo de como Stranger Things se tornou um fenômeno avassalador – o retrô, no geral, se tornou uma peça atraente para o público contemporâneo, movido pela nostalgia. Dessa forma, trocar a sombria Primeira Guerra Mundial pela época mais colorida e brega do século XX parece uma boa forma de renovar o estilo da franquia – sem falar no excitante cover de “Blue Monday”, do grupo New Order.

Encontramos Diana ativa publicamente, e ainda agindo como Mulher-Maravilha para deter múltiplos crimes, com destaque para uma cena de ação em um shopping center (que também nos remeteu à terceira temporada da série da Netflix), onde a heroína usa sua tiara como arma contra dois assaltantes. A ação, inclusive, parece ser um dos pontos aprimorados na continuação, sendo possível ver uma coreografia mais rápida, agressiva e criativa – afinal, vemos a Mulher-Maravilha usando seu laço para se pendurar em um relâmpago!


Novos jogadores

Eis que conhecemos dois personagens que devem assumir a posição de antagonistas bem distintos no longa: o Maxwell Lord de Pedro Pascal (The Mandalorian) e a Barbara Minerva/Mulher-Leopardo de Kristen Wiig (Missão Madrinha de Casamento). Lord é visto como uma figura midiática que aparentemente é capaz de conceder desejos (vemos uma pedra misteriosa em certa cena que deve indicar seus poderes), enquanto Minerva parece ser obcecada pela figura da Mulher-Maravilha, além de desejar atenção e “ser amada”. Lord vai afetar a vida de ambas as mulheres. 

Sabemos que Minerva se transformará na vilã felina, ainda que a prévia não traga um vislumbre do trabalho de CGI na forma de leopardo. Já Diana recebe aquilo que aparece por boa parte do trailer desejando: Steve Trevor, personagem de Chris Pine que foi seu grande amor no primeiro filme, mas que morreu tragicamente. Aqui, ele retorna oferecendo uma bela rima visual ao colocar um relógio digital na mão de Diana, e o trailer deixa claro que a continuação vai inverter os papéis: no primeiro, Diana era o peixe fora da água por deixar Temiscira e conhecer o mundo dos homens pela primeira vez. Agora, Steve está no futuro, conhecendo o mundo moderno com a ajuda da heroína.

Armadura de Ouro

Um dos elementos que mais chamou a atenção dos fãs, desde o lançamento do primeiro pôster oficial de Mulher-Maravilha 1984, é a armadura de ouro em formato de águia. Certamente deve ser algo que Diana usa mais próximo do final do filme, é o tipo de coisa que cheira a “clímax”. O visual é impressionante, e ainda traz um imponente par de asas.

A presença da armadura também justifica o retorno de Temiscira. Vemos cenas na terra das Amazonas ao longo do trailer, ainda que não fique claro se são flashbacks ou momentos no presente. Se não forem no passado, Diana deve passar por “provações” para garantir o direito de usar a armadura da águia.

O que sabemos é: queremos Mulher-Maravilha 1984 pra ontem. Mas o filme só chega aos cinemas brasileiros em 4 de junho de 2020.