The Goop Lab, série documental produzida e criada por Gwyneth Paltrow, estreou na Netflix nesta semana prometendo abordar uma série de métodos de terapia física e emocional não ortodoxos. A produção causou polêmica antes mesmo de estrear.

Para quem estava esperando um conteúdo extremamente polêmico e bizarro, pode ficar decepcionado. A série é uma produção simples e segura, falando com certa responsabilidade sobre vários temas do mundo do bem estar.

Confira o que uma resenha publicada pelo site Digital Spy tem a dizer sobre a nova série!


The Goop Lab

Baseada na marca criada por Gwyneth Paltrow, The Goop Lab é uma série de 6 episódios, cada um abordando temas específicos do mundo da autoajuda e bem estar.

Antes do início de cada episódio, a Netflix confirma que a série não deve ser levada tão a sério.

“Esta série foi criada para entreter e informar, não providenciar conselhos médicos. Você deve sempre se consultar com um médico antes de iniciar qualquer tratamento”, afirma uma mensagem exibida no início de cada episódio.

Marketing

The Goop Lab é, de uma maneira ou de outra, uma ferramenta de marketing. A série escolhe casos positivos que apoiam cada tópico. As conversas entre os funcionários da Goop sempre trazem pessoas de “mente aberta”, e fazem uso do quartel general da empresa e seu cenário moderno.

A série é sobre “ser saudável”, adotando aquilo que a Goop considerada como “saúde”. Em relação ao conteúdo, a produção de Gwyneth Paltrow entrevista diversos profissionais.

Os psiquiatras, terapeutas, coaches e biólogos consultados sempre apoiam o ponto de visto apresentado pela Goop, o que pode ser considerado um dos maiores pontos fracos da série. Não há desafios e contrapontos ao conteúdo, apenas uma voz é mostrada ao público.

Os exemplos sempre são positivos, e nenhum estudo contrário ao diferentes métodos mostrados pela série é exibido.

A atriz Gwyneth Paltrow.

Pontos positivos

A primeira temporada de The Goop Lab também apresenta pontos positivos. O terceiro episódio é focado no prazer feminino. As funcionárias da companhia participam de workshops sobre o tema e são encorajadas a explorarem o prazer do corpo e sua sexualidade.

Uma das funcionárias discute suas dificuldades em relacionamentos e como crescer em uma cultura mais fechada influenciou completamente sua sexualidade e a maneira como cada um encara o sexo.

É interessante presenciar uma discussão sincera sobre o prazer e sexualidade feminina sem a presença de imagens voltadas ao olhar masculino.

No mesmo episódio, The Goop Lab mostra várias imagens de vulvas, e a mensagem é clara: não há nada de errado com a sua.

No final das contas, a recepção de The Goop Lab vai depender de cada um. Se você já adota práticas não ortodoxas de saúde e tem a mente aberta para esse tipo de tema, é possível que goste da produção.

The Goop Lab já está disponível na Netflix.