O livro Moby Dick, escrito pelo norte-americano Herman Melville, foi publicado pela primeira vez em 1851. Algum tempo depois, esta obra acabou se tornando um clássico da língua inglesa e, também, um clássico da literatura mundial. A história do norte-americano Ismael, do polinésio Queequeg e do capitão Ahab a bordo do baleeiro Pequod e, claro, do encontro com a baleia branca que dá título ao livro tem um fundo de verdade: a tragédia com o barco Essex, comandado pelo capitão George Pollard, que afundou após um choque com uma baleia branca em 1820. Esta história é o tema do filme No Coração do Mar.

O autor Herman Melville (Bem Whishaw, de 007 Contra Spectre) procura um dos únicos sobreviventes ainda vivos do naufrágio do baleeiro Essex, Thomas Nickserson (Brendan Gleeson, de No Limite do Amanhã). Na adolescência, Thomas (Tom Holland, o futuro Homem-Aranha) ficou órfão e para sobreviver, ele resolveu trabalhar nos barcos que capturam baleias. Herman convence Thomas a contar o que se passou com o Essex e sua tripulação.

A tripulação era composta pelo capitão George Pollard (Benjamin Walker, de Abraham Lincoln: O Caçador de Vampiros), o imediato do navio – uma mistura de copiloto com capataz – Owen Chase (Chris Hemsworth, da franquia dos Vingadores), o braço direito do imediato formado por Matthew Joy (Cillian Murphy, de Marcas do Passado), o primo do capitão, Owen Coffin (Frank Dillane, da série Sense8) e marinheiros experientes e novatos. Entre estes últimos estava Thomas.


O pano de fundo de No Coração do Mar é a história contada por Thomas à Herman que daria origem ao livro deste último. Os diversos conflitos encontrados por todos aqueles homens em alto-mar. O roteiro se baseou no livro de mesmo nome escrito pelo historiador norte-americano Nathaniel Philbrick, lançado em 2000, tanto no exterior, quanto aqui no Brasil. A história foi escrita a seis mãos por Charles Leavitt (Diamante de Sangue, 2006), Rick Jaffa (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros, 2015) e Amanda Silver (também trabalhou em Jurassic World). Charles foi responsável pela finalização do roteiro.

A história desta tripulação é extraordinária. Os diversos infortúnios pelos quais ela passa vão testando os limites de todos aqueles homens. Não chega a ser um roteiro surpreendente, porque se imagina muito do que possa ter ocorrido com eles nas diferentes situações as quais são postos em prova, porém, mesmo conseguindo acertar o que acontecerá a seguir, o espectador irá se deparar com cenas que o farão pensar sobre o que ele mesmo faria se se encontrasse na ali, daquele jeito.

A ideia da caça de baleias – necessária naquela época para a obtenção de diferentes óleos usados na iluminação pública e residencial – é um ótimo mote que iluminou questões como a dos proprietários e investidores que arriscam a vida dos outros para a conseguirem lucrar e a do enfretamento entre homem e natureza e sobre quem, às vezes, sai perdendo nesta batalha.

O diretor Ron Howard (Rush: No Limite da Emoção, 2013), que tem uma leve queda por filmes baseados em fatos reais – além de Rush, ele também dirigiu Frost/Nixon e Uma Mente Brilhante – com este fardo e farto material, conseguiu fazer um filme emocionante e reflexivo. Entretanto, nos momentos de ação, ele perdeu um pouco a mão, deixando as cenas um tanto confusas. Provavelmente, a intenção era essa para que os espectadores se sintam um pouco como os tripulantes durante uma determinada situação, por exemplo.

Falando em cenas, o inglês Anthony Dod Mantle foi o responsável pela fotografia de No Coração do Mar. Em alguns momentos, principalmente em planos bem abertos, a impressão que se tem é que Anthony quis reproduzir famosos quadros de pintores britânicos, como William Turner (1775 – 1851) e John Constable (1776 – 1837).

Porém, se a intenção era essa, algumas cenas, nas quais aparecem botes e barcos, ficaram estranhas por parecem exatamente um quadro, ou seja, uma cena estática, mas no qual aqueles estão subindo e descendo conforme as ondas do mar passam por eles. Também a luz, principalmente em cenas em alto-mar, invoca esta ideia de quadro, de pintura.

A montagem do No Coração do Mar é dos norte-americanos Daniel P. Hanley e Mike Hill. Montadores acostumados a trabalhar com Ron Howard – Rush, Uma Mente Brilhante e O Código Da Vinci (2006) – os dois já seguem as ideias deste diretor e dão o ritmo certo ao filme de duas horas de duração. Alguns poderão achá-lo lento, porém, o ritmo condiz com o que é mostrado na maior parte de No Coração do Mar, ao contrário do longa de aventura que é vendido pelo trailer do filme.

Os efeitos visuais, sob a coordenação de Eva Abramycheva (Terremoto: A Falha de San Andreas), pecaram um pouco em alguns momentos, principalmente naqueles em que a água deveria molhar mais os personagens que, estranhamente, se mantêm quase secos. Já os efeitos especiais, como, por exemplo, o que dá vida a baleia enfrentada pela tripulação do Essex é impressionante, principalmente quando ela não está de bom humor.

Falando na tripulação, temos algumas exceções – infelizmente, ruins – em No Coração do Mar. Benjamin Walker parece que quis fazer um capitão tímido e inseguro diante dos seus comandados e quem acabou apagado no filme foi ele. Chris Hemsworth faz o papel de Chris Hemsworth vivendo durante o século XIX. Ele faz o homem destemido que mesmo sabendo do perigo ao qual se lança não pestaneja nem um segundo.

Destaques de boa atuação são de Tom Holland, Cillian Murphy e Frank Dillane. Cillian é o mais velho e mais experiente dos três e soube fazer o papel de um marinheiro experiente. Os outros dois, mais novos e menos experientes, apesar disso, também souberam realizar os personagens de marinheiros de primeira viagem com veracidade.

No Coração do Mar