O escritor e dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues cunhou uma frase que é constantemente lembrada quando se quer comentar opiniões: “Toda a unanimidade é burra”. Nem sempre. Uma “quase” unanimidade nem sempre é burra. O último filme de super-heróis da 20th Century Fox, em associação com a Marvel, Quarteto Fantástico (2015), foi considerado por muitos críticos e por grande parte do público um desastre. E realmente é. Porém, parece que Fox e Marvel irão se redimir daquele trabalho neste inicio de 2016 com Deadpool.

O personagem já tinha aparecido em X-Men Origens: Wolverine (2009) e sido interpretado por Ryan Reynolds, que retorna à pele do mercenário no filme solo. Mas as únicas coisas em comum com o personagem das histórias em quadrinhos e com o do atual filme são a habilidade com as espadas e a tagarelice. A boca grande é uma característica tão forte do personagem que o principal apelido dele é mercenário tagarela. O ex-militar das Forças Especiais dos Estados Unidos, Wade Wilson (Ryan Reynolds), atualmente, é um mercenário. Como ele próprio se define: ele é um cara mau que pega caras piores do que ele. Ele cobra para realizar serviços sujos, mas, algumas vezes, ele acaba nem cobrando dependendo para quem seja o trabalho. Para contratar mercenários, inclusive Wade, pode-se ir ao bar do Weasel (T.J. Miller, da série Silicon Valley) no qual eles se reúnem. Lá, eles bebem umas cervejas, socam uns aos outros e apostam em qual deles irá morrer primeiro.

Certo dia no bar, Wade acaba encontrando a garota de programa Vanessa Carlysle (feita pela brasileira Morena Baccarin, da série Gotham). Ele se apaixona por ela imediatamente e eles começam a ter uma relação. Algum tempo depois, porém, o casal se separa, porque ele vai embora ao não querer que ela o veja definhando por causa de um câncer terminal. Por essa causa, ele acaba indo até um local misterioso por causa de uma promessa de transformação que poderá curá-lo e fazê-lo retornar para Vanessa. Nesse local, ele acaba conhecendo Ajax (Ed Skrein, de Carga Explosiva: O Legado) e Angel Dust (Gina Carano, de Sangue na Veia).
Pelas mãos desses dois, Wade Wilson acaba se transformando em Deadpool. E ir atrás desses dois é a principal razão deste longa. Ele, muito a contragosto, ainda pede para dois X-Men, Colossus (Stefan Kapicic, de O Grande Milagre) e Negasonic Teenage Warhead (Brianna Hildebrand), ajudá-lo na caça.


Pode-se dizer muita coisa sobre o ator canadense Ryan Reynolds, mas uma não se pode: que Reynolds é de desistir. Falando em filmes de super-heróis que não foram um sucesso estrondoso de público e crítica, ele protagonizou um em sua carreira: Lanterna-Verde (2011). Bons atores procuram escolher personagens cuja personalidade se pareçam com a deles ou sejam completamente opostas. Deadpool é um personagem, por exemplo, que se encaixa perfeitamente em Reynolds. Este, inclusive, é um dos produtores do filme. Reynolds não é péssimo ator, mas é inconstante em suas atuações. Porém, quando o personagem o favorece e ele está inspirado, consegue crescer muito em frente às câmeras. E este é um exemplo muito bom do uso dessa potencialidade.

A brasileira Morena Baccarin tem mostrado o seu talento faz algum tempo na televisão norte-americana, em séries como V, Homeland e Gotham. O trabalho em séries de televisão, principalmente nos Estados Unidos, acaba deixando os atores afiados para trabalharem em razão ao intenso cronograma de gravações. Inclusive, é curioso imaginar como Morena conseguiu gravar este filme trabalhando ao mesmo tempo em uma série de TV. Mas, ao invés de estar cansada e, portanto, mecânica em cena, muito pelo contrário, ela está tinindo e passa a paixão e o tesão que o personagem exige mesmo não tendo tantas cenas.

O ator/rapper britânico Ed Skrein, ao querer abraçar a atuação, está começando a acertar. Fica claro ao vê-lo em cena, como o cinema é um trabalho em equipe, como diversos trabalhos artísticos. Em Carga Explosiva: O Legado (2015), Skrein não está tão bem quanto esta neste longa. Estar cercado de profissionais tarimbados em filmes de ação o ajudou a desabrochar e a mostrar sua potencialidade como ator. Em Deadpool, ele está bem e não faz feio.

A atriz norte-americana Gina Carano também esta no mesmo nível que Ed Skrein. Ela também não tem uma carreira como atriz muito extensa, mas, apesar disso, não deixa a desejar no outro papel de antagonista. O também norte-americano T. J. Miller, também, está neste nível mediano de atuação. Todos os personagens desses, em conjunto com os da norte-americana Brianna Hildebrand e do alemão Stefan Kapicic, estão servindo como escada para os demais personagens, principalmente, óbvio, para o Deadpool.

O mundo das histórias em quadrinhos de Deadpool sofreu algumas adaptações para poder se encaixar direito na tela grande. Um grupo de quatros roteiristas ficou responsável por este trabalho. Para adaptar os personagens como Ajax e Weasel para que fizessem sentindo em um filme, os quadrinistas, o norte-americano Rob Liefeld e o argentino Fabian Nicieza, fizeram esta parte. Já o script ficou sob a responsabilidade dos norte-americanos Rhett Reese e Paul Wernick. Os dois já trabalharam juntos em G.I. Joe: A Retaliação (2013) e Zumbilândia (2009). Ou seja, Reese e Wernick já tinham experiência em filmes de ação com pitadas de humor.

A experiência, provavelmente, ajudou bastante Reese e Wernick a fazer o roteiro. Outra coisa que deve ter ajudado muito é o caráter do personagem. Deadpool é falastrão, sarcástico e sempre está quebrando a quarta parede nos quadrinhos. E os dois conseguiram transportar para a tela todas as características dele para a versão cinematográfica. Por essa razão é que o personagem se encaixou perfeitamente em Ryan Reynolds. O personagem é assim o filme inteiro e em todas as situações. Por isso, poderia ficar repetitivo e cansativo se não fosse muito bem escrito. Porém, as falas daqueles estão recheadas de tiradas, observações e piadas inteligentes.

A história com um pouco mais de 1h40min é bem dinâmica. O filme tem ação do início ao fim com poucos momentos com intensidade baixa. Uma das razões para ter essa força é ele não ser contado de forma cronológica. A excelência desta produção acaba deixando mais incrível ainda o trabalho como diretor do artista de efeitos visuais, Tim Miller. É a primeira vez em que ele dirige um longa-metragem. Como artista de efeitos visuais, ele trabalhou em Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010), porém, como diretor ele só tinha realizado dois curtas em 2002 e 2003.

Percebe-se que a fotografia de Deadpool foi muito bem feita já na abertura. Aliás, a abertura é um plano-sequencia completamente diferente do que já se viu até hoje em cinema. A “câmera” – entre aspas, porque muito nesta cena foi criado em computador – gira em torno do fato indo do close para um plano médio, mas sem deixar de girar em torno dos personagens. O diretor de fotografia, Ken Seng (Os Desconectados, 2012), como muitos diretores e muitas diretoras desta área, baseou o filme no close. Não vejo problema algum em filmar desta forma, quando o projeto como um todo pede. Mas se basear quase que integralmente em closes, pelo menos, para mim, passa uma sensação de claustrofobia. Por exemplo, quando dois corpos estão próximos em uma ação, o uso do close é uma boa maneira de se filmar essa cena. Seja ela de sexo, seja ela de luta. Entretanto, ao fazê-la quase o longa todo, o recurso acaba deixando uma sensação pesada.

O filme é ação pura do inicio ao fim, também, por causa da edição realizado pelo canadense Julian Clarke. Clarke trabalhou em filmes como Elysium (2013) e Distrito 9 (2009) e sabe perfeitamente dar um ritmo alucinante às produções. Muitas cenas acabam tendo muitos takes dando a agilidade pedida neste gênero de filme, o de ação.

Outro ponto positivo do longa é a trilha sonora feita pelo neerlandês Tom Holkenborg, mais conhecido como Junkie XL. Ele já fez trilhas sonoras para filmes, como Aliança do Crime e Mad Max: Estrada da Fúria, ambos de 2015. Nesse, ele escolheu as músicas apropriadas. São músicas, que no primeiro momento, não se imaginaria naquela situação específica, porém se percebe que elas fazem todo o sentido conforme a cena vai se desenrolando.

Toda a unanimidade é burra? Pode até ser. Entretanto, terão os que não gostarão com certeza deste filme por achá-lo violento demais. Portanto, aqueles e aquelas que gostarão deste filme não serão unanimidade. Sim, é um filme violento, tanto quanto Deadpool é desbocado, mas são exatamente esses toques – e de toques, o personagem entende – que fazem deste longa, o que ele é. E uma dica: fique até o final dos créditos.

Deadpool