Recentemente foi anunciado que Jackie Chan receberá um Oscar honorário pelo conjunto de sua obra. Ícone do cinema de artes marciais, Chan conquistou o mundo por unir seus golpes de kung-fu com expressões corporais que remetem à comédia pastelão, tornando-se um ator único no mundo do cinema. Fora do Rumo pega carona nessa persona que Jackie Chan possui. Um filme inteiramente construído nas habilidades de seu ator.

Dessa forma, o longa funciona como homenagem a seu ator principal. É interessante como uma das primeiras sequências da película é trabalhada num embate numa casa de pau a pique, Chan utiliza de seu humor e seus bem coreografados movimentos para realizar uma espécie de balé regido por um clown. A luta diverte na mesma medida que empolga, Chan passa de casa a casa derrubando oponentes e destruindo os locais, terminando essa sequência Inicial com uma grande explosão no melhor estilo cinema de Hong-kong.

Fora do Rumo funciona nessa vertente cômica e referencial, e sua trama segue por caminhos totalmente equivocados, numa repetição de clichês. O filme conta a história de Bennie Chan (Jackie Chan) que vive numa eterna busca por encontrar os responsáveis pelo assassinato de seu parceiro e pai da garota que cria como filha, a bela Samatha. Em paralelo, há a história de Connor Watts (Johnny Knoxville) um trambiqueiro que chega a china, fugindo da máfia russa, para tentar a sorte nos cassinos de Macau e acaba se apaixonando por Samatha, fato que faz com que Watts presencie um assassinato. Logo, Watts e Chan se juntam, uma vez que o americano pode ter a chave do mistério que assombra o passado do chinês.


Com isso, a trama segue todas as convenções do gênero, pegando tudo o que já foi feito no cinema de gangster e colocando no filme, desde os créditos iniciais até os figurões russos que surgem repentinamente. Evidentemente que isso dá um grau de previsibilidade absurdo ao filme. Nesse sentido, Fora do Rumo parece um filme feito na década retrasada, um filme que estaria dentro dos exageros noventistas, como a introdução dos personagens, em que uma música pop entra com força, embalando um frame congelado para surgir uma espécie de efeito gráfico que escreve o nome daquelas figuras na tela.

Dentro dessas limitações, o que de certa forma salva o filme é o seu tom caricatural. Fora do Rumo assume seu exagero, como se tudo aquilo não passasse de uma gravura de fato, uma simples brincadeira para trazer a presença de Jackie Chan num típico filme seu. O filme em suas situações e personagens reforça a ideia de retrabalhar signos e momentos vistos em tantos outros filmes, para justamente reutilizar a figura de Chan, como se o ator fosse mais um grande ícone num mundo de símbolos.

Dessa forma, o filme tem seus melhores momentos justamente quando Jackie Chan está repetindo o que tanto fizera em sua carreira, e o filme se diverte colocando-o nas situações mais estranhas. Por exemplo, o astro das artes marciais cantando Rolling in the Deep numa comunidade da Mongólia. Infelizmente o parceiro de Chan não é tão bom, se o ator japonês agrada com seu habitual repertório, Knoxville parece sempre estar no seu esforço máximo, e mesmo assim não consegue ser engraçado. Pelo contrário, o ator cria a personagem mais exagerada do filme (olha que isso é uma proeza), que tenta através de caras e bocas chegar a algum humor. Dessa forma, sente-se que o filme está numa constante disputa entre a atuação agradável de Chan e o esforço sem resultado de Knoxville.

Fora do Rumo é um filme que funciona exclusivamente pela figura icônica que possui em seu elenco e nas situações que desenvolve para Jackie Chan brilhar. Não tem como esperar de Fora do Rumo uma trama bem resolvida, grandes momentos de tensão nas cenas de briga, ou qualquer congruência narrativa. Fora do Rumo é uma boa dose de Jackie Chan.