Crítica | Lion: Uma Jornada Para Casa

Filmes baseados em histórias reais costumam ter uma tendência a um grande apelo dramático como recurso de aproximação para com o público. Lion: Uma Jornada Para Casa, apesar de utilizar esse recurso, não o escancara, e transpassa uma história tão comovente que atinge de forma virtuosa, já que é muito bem conduzida pelo diretor iniciante Garth Davis.

Lion: Uma Jornada Para Casa traz a história de Saroo, um garoto indiano que se perde da sua família e acaba sendo adotado posteriormente por um casal australiano. Interpretado pela joia Sunny Pawar, Saroo tem sua jornada mostrada no primeiro ato do filme junto ao seu irmão Guddu (Abhishek Bharate). Duas crianças que trabalham para ajudar sua mãe nas despesas da casa, já que as condições da família não são tão boas. Vale ressaltar o excelente trabalho executado por esses dois meninos, que claramente se doaram para seus personagens, fazendo com que o começo do longa chamasse atenção muito por conta da interpretação de ambos.

Com um roteiro clássico, o filme é dividido em três blocos. O primeiro, já descrito anteriormente, apresenta a trajetória de Saroo até sua adoção. O segundo traz Saroo já crescido, interpretado agora por Dev Patel (Quem Quer Ser um Milionário?), onde é mostrado sua vida ao lado de seus pais adotivos – interpretados por Nicole Kidman e David Wenham – e de seu irmão Mantosh, também adotado. É mostrado também o desenvolvimento da sua carreira profissional e seu romance com Lucy, interpretada por Rooney Mara.

Um dos grandes méritos do diretor é que ele justamente não progride tanto com esse segundo momento do filme, onde rapidamente na terceira parte volta a se evidenciar a cidade natal indiana de Saroo, através da incessante procura dele por sua família biológica sem ter nenhuma informação sobre, apenas suas memórias quando criança.

Apesar de ser um filme com uma fórmula praticamente pronta, os recursos que o diretor Garth Davis adota para a condução da história funcionam bem. Como o jogo entre presente e passado exposto através do personagem de Saroo, que aos poucos começa a rememorar antigas experiências em seu país natal que o ajudam na busca por sua família biológica. Deste modo, mais do que apenas passar para o cinema uma história real, o filme busca entender todas as angústias que Saroo sentia e como isso repercutia nas pessoas que estavam em sua volta.

Lion: Uma Jornada Para Casa é um filme comovente, que do primeiro ao último minuto prende a atenção do telespectador com uma história singular. Talvez uma das únicas críticas negativas que o filme merece é o questionamento da relação em que Saroo tinha com seu irmão adotivo Mantosh. Já que essa é uma história que busca ser exemplo e conta com uma estrutura clássica, fica aqui a indagação de que Mantosh poderia sim, ser um personagem não ignorado.

Lion: Uma Jornada Para Casa
COMPARTILHE: