Ilha dos Cachorros é o novo longa de Wes Anderson que chega aos cinemas já com o peso do renomado diretor. Com toda o clima de Anderson, a nova animação não poderia deixar de lembrar O Fantástico Sr. Raposo e é certo se dizer que qualquer um que se agrada com algum filme do Anderson não irá se decepcionar.

O longa traz velhos conhecidos de sua carreira, como Edward Norton, Bob Balaban, Bill MurrayTilda Swinton e Harvey Keitel, além de nomes como Bryan Cranston, Greta Gerwig, Scarllet Johansson, Frances McDormand, Jeff Goldblum, Ken Watanabe e Liev Schreiber. Isso para citar somente alguns de seu estelar elenco. Com tantos nomes de peso é notável que Wes é um dor melhores diretores da atualidade, muito por conseguir imprimir sua marca em todos os seus filmes, e dessa vez não é diferente.

O trabalho perfeccionista de Anderson se mostra mais uma vez destacável nos filmes da atualidade e, numa era onde grandes franquias se mostram fortes no cinema, é um deleite ver uma história fechada tão agradável. A maneira sínica com a qual Anderson desenvolve suas tramas é ímpar no “mainstream”, e consegue transformar a mais sutil das cenas em engraçadas sem precisar se apoiar no roteiro.


O diretor é um dos poucos que sabem fazer comédia com enquadramentos sem necessitar de uma “punch-line” no roteiro para trazer a graça, e em Ilha dos Cachorros esse ponto é notável. Todo cenário apresentado é tratado com o cuidado característico de Anderson que, não só constrói o clima do filme, como encanta a qualquer espectador, que pode até não se identificar com alguns de seus longas, mas que não terá como arranjar muitos argumentos técnicos para criticar sua fotografia.

A história do filme é tocante. Anderson consegue conversar com qualquer tipo de público, trazendo uma animação que pode conversar tão bem com uma criança quanto com um adulto. As questões apresentadas pela trama não são todas atuais ou inovadoras, mas sua forma de trabalhá-las é única e deve tocar o público, de forma até despretensiosa, já que o longa é mais uma aventura do que um drama ou mesmo uma comédia. Assim, o cineasta consegue trazer um equilíbrio entre a arte como algo encantável, como crítica e como entretenimento.

O trabalho de voz é incrível, com destaque para o já experiente na área Bryan Cranston e também para Scarllet Johansson, que já havia provado sua capacidade de atuação só com a voz em Ela. Edward Norton e Jeff Goldblum também chamam atenção, mesmo em meio a tantos belos trabalhos de atuação encontráveis no filme. A participação de Yoko Ono é quase algo a parte do filme, trazendo um quê de metalinguagem que deverá divertir o espectador mais atento.

Ilha dos Cachorros é divertido, engraçado, sensível e emocionante, e já deve figurar entre os mais bem feitos filmes do diretor e entre as mais bem feitas animações mundiais. Com uma trama envolvente e um trabalho técnico impecável, Wes Anderson traz aos cinemas um de seus melhores filmes. O que é dizer bastante dentro da carreira invejável do cineasta.