Entre tantas obras que obedecem às leis do mundo real, alguns thrillers tomam a liberdade de se desdobrar em uma espécie de realidade alternativa, na qual não existem muitas regras. É o caso de Um Pequeno Favor, do diretor Paul Feig, que apresenta uma trama sombria de mistério com personagens e um cenário que poderiam pertencer a uma comédia pastelão. Já nos créditos de abertura, com recortes coloridos ao som da dançante “Ça ces’t arrangé”, o filme de Feig celebra seu espírito cafona e brincalhão com muito orgulho.

O enredo de Um Pequeno Favor, baseado no livro homônimo de Darcey Bell, é ancorado na personagem Stephanie Smothers (Anna Kendrick), uma vlogueira cujo público-alvo são, na maioria, donas de casa. Mãe solteira, Stephanie concentra o resto de seus esforços em cuidar de seu filho pequeno, também preparando lanches e outras coisas para os colegas do menino na escolinha. Ela então conhece a misteriosa Emily Nelson (Blake Lively), mãe de um dos alunos, uma mulher extravagante e sem papas na língua que captura seu interesse.

As duas logo iniciam uma amizade e se tornam confidentes, trocando alguns de seus segredos mais obscuros enquanto tomam dry martinis na tarde. A confiança de Stephanie em Emily é tanta que, em um certo dia, aceita cuidar de seu filho por um dia enquanto a última, que é modelo de uma importante grife, parte em uma viagem profissional. Só que Emily, que deveria voltar no dia seguinte, nunca mais retorna, e Stephanie parte em busca da amiga desaparecida – uma busca que colocará a natureza de sua amizade em cheque.


Se a trama soa mórbida, a direção de Paul Feig corre em disparada na direção contrária. Divulgado como fruto de um “lado mais sombrio” de Feig, conhecido por comédias como Missão Madrinha de Casamento e A Espiã que Sabia de Menos, Um Pequeno Favor é um claro sinal de seu amadurecimento como diretor. Porém, dentro dos moldes de um thriller, Feig arquiteta mais uma comédia, uma que ri das piores situações possíveis e consegue encontrar leveza na escuridão – ou talvez o contrário. Enquanto na primeira metade o tom é mais equilibrado para manter a apreensão com o mistério, rumo ao final ele fica cada vez mais escancarado até partir de vez para o pastelão, o que pode desagradar aqueles que esperam algo mais sério.

Muito à vontade e sem medo do ridículo, Anna Kendrick e Blake Lively se divertem na construção das duas personagens centrais, cujas personalidades são completamente opostas. A primeira nasceu para o papel de Stephanie, com um jeito perfeitinho que a faz parecer um alienígena na Terra, arrancando risos com sua compulsão por pedir desculpas. Já a última assume o que pode ser o grande papel de sua carreira até então, às vezes conseguindo ser hilária e ameaçadora na mesma ocasião, sempre com estilo de sobra. Por fim, Henry Golding, vindo diretamente do sucesso de Podres de Ricos, é um achado como o marido suspeito – e sedutor – de Emily, marcando uma boa adição ao jogo de intrigas.

Por sua vez, em sua adaptação do livro de Bell, a roteirista Jessica Sharzer consegue resultados mistos. Sharzer acerta em trabalhar com contradições, entregando momentos que intercalam os relatos das personagens com flashbacks que revelam o oposto do que dizem, e, desde que isso ocorre pela primeira vez no filme, somos sempre deixados a pulga atrás da orelha, nos questionando por quem e quando seremos feitos de bobos. Os diálogos ácidos são outro ponto alto do script e são muito bem entregues por Kendrick e principalmente Lively, cuja secura provoca risos nervosos.

Vê-las interagindo é quase sempre impagável, mas a complicada trama que as cerca não é realizada com tanta graça, perdendo-se com um excesso de reviravoltas, e nem todas elas funcionam – não entrarei em detalhes, mas algumas delas carecem de qualquer originalidade. Claro que isso depende diretamente do material fonte, mas a adaptação poderia compensar com uma abordagem mais criativa e econômica. Por isso, Um Pequeno Favor voa mais alto quando se concentra no divertido ping-pong entre suas estrelas.

Falando nisso, a figurinista Renee Ehrlich Kalfus deve ter se deliciado ao trabalhar os contrastes entre Stephanie e Emily. Enquanto uma veste roupas mais justas e estampadas, a outra está quase sempre arrasando blazers brancos ou pretos, de ombros largos e imponentes. Os figurinos de Emily, em especial, refletem bem sua personalidade hermética, o que ganha ainda mais sentido quando Stephanie tenta entrar em um de seus muitos vestidos e logo se sente desconfortável. Também é interessante notar que, a certa altura, o vestuário das personagens é invertido, comunicando bem as mudanças que ocorrem na relação de poder das duas.

Com uma execução descontraída e mais inteligente que a própria trama, é difícil não se divertir com Um Pequeno Favor. Paul Feig fez um filme noir à sua própria maneira, de sobretudo e chapéu mas debaixo deles escondendo uma roupa de palhaço, totalmente equipada para executar pegadinhas no espectador. Nem todas elas funcionam, e alguns com certeza não verão graça alguma nas artimanhas, mas aqueles que aceitarem a brincadeira podem se divertir bastante, rindo dos – e com – os exageros da trama, incluindo letreiros finais que abraçam o absurdo por inteiro.