Nasce Uma Estrela chega aos cinemas já precedido por todas as expectativas que somente a sua existência já impõe. Não é exagero dizer que o espectador pode ir assistir ao filme para contar em quantas categorias este pode aparecer como indicado ao Oscar. Longe de ser um “Oscar bait” como A Forma Da Água, o longa ainda assim é um forte candidato a agradar a Academia e o público.

Bradley Cooper faz sua estreia como diretor e como roteirista. Seu primeiro acerto é ter escolhido uma obra que é adaptada pela segunda vez. O filme é um remake do homônimo de 1954, que também surgiu como remake em 1976. Assim, de suas três funções no longa, Cooper consegue, ao lado de Eric Roth e Will Fetters, trazer a história para o presente, atualizando de uma forma ótima tanto o romance retratado na tela como os significados possíveis do que é ser, de fato, uma estrela nos dias atuais. Mesmo assim, essa não é sua função de maior destaque no filme.

A direção de Cooper surpreenderá aquele que não souber que este é seu primeiro trabalho como diretor. Cooper consegue contar sua história de forma brilhante com a câmera. Quando estamos presenciando os protagonistas em suas apresentações, a câmera se comporta de acordo o que se vê, trazendo as respectivas características de cada apresentação, seja um palco de um show que está lotando estádios esportivos ou em um bar com uma produção mais modesta, sempre nos colocando no local daqueles que fazem a performance, o que quase se assemelha a um vídeo de bastidores por momentos. Por essa escolha, Cooper consegue nos entregar as sensações de suas personagens ao mesmo tempo em que se preocupa com o clima externo apresentado nessas cenas, tudo de forma muito natural.

>> CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Fora das apresentações, o diretor também faz um ótimo trabalho com a câmera. Seus enquadramentos funcionam muito bem tanto ao tentar destacar o cenário, quando necessário, quanto para a contribuição da construção das personagens. Cooper parece ser metódico ao mesmo tempo em que deixa espaço para a improvisação. Muito de seu trabalho se mostra contribuindo para as belíssimas atuações que são apresentadas no longa. Uma delas, a sua própria.

Quando a câmera segue Cooper como Jack, esta mostra a grande diferença que há entre o artista e a pessoa por trás deste. Jack é mostrado diversas de costas, cabisbaixo, por cima dos ombros, o que faz alusão não só ao fato da personagem estar frequentemente entorpecido, mas também a sua personalidade, no geral, taciturna. Cooper vive uma de suas melhores atuações em Nasce Uma Estrela, e deve ser considerado como potencial candidato as mais diversas premiações. Entre todos os aspectos ressaltáveis, seu trabalho de voz é o grande destaque da atuação, e não da forma óbvia que se imagina em um filme que segue a história de um músico.

Lady Gaga é mais uma grande potencial candidata a premiações pelo seu trabalho como Ally. Em sua estreia na atuação, Gaga mostra que Nasce Uma Estrela chega realmente em boa hora. Mesmo sendo possível afirmar que sua escolha acaba indo de encontro com coincidências que a cantora pode ter com Barbra Streisand, que estrelou o remake de 1976, Gaga brilha na tela em todas as suas cenas, com uma atuação impecável que é alavancada pela direção do filme. Os enquadramentos buscam o expressivo olhar da atriz, o que é um grande acerto tanto para o filme em si, como para destacar sua atuação. O arco de sua personagem, que é uma estrela em ascensão, vai de encontro no movimento contrário ao de Cooper, que mostra uma estrela em decadência.

O contraste dos dois personagens não só enriquece a história contada como engrandece o romance vivido por eles. Assim, o longa consegue trazer duas visões interessantes da fama e da arte, mostrando questionamentos sobre a sinceridade empregada no produto artístico e na forma de se alcançar o sucesso. Todos os assuntos abordados pelo filme aparecem de forma sutil, porém precisa. Com foco nas personagens, a história em si não é deixada de lado, mostrando um equilíbrio quase que perfeito, apesar de se inclinar mais para os sentimentos vividos pelas personagens.

O elenco de apoio conta com boas atuações também. Apesar do pouco tempo de tela, Dave Chappelle aparece muito bem e merece ser citado. Mas a grande atuação coadjuvante, que pode também levar indicações, fica por conta de Sam Elliot como Bobby, irmão e agente de Jack. Apesar de Elliot ser um ator marcado por um arquétipo na maioria de seus trabalhos, este caiu como uma luva no filme, e é um dos responsáveis, junto de Cooper e Gaga, pelas lágrimas que o público irá derramar pelas salas de cinema.

Com um conjunto de ótimos trabalhos técnicos, seja na iluminação, trilha sonora original, atuação, direção, produção ou qualquer aspecto técnico, Nasce Uma Estrela é um filme que deve despertar as mais diversas emoções em seu espectador. O longa não deve passar batido na vida do público, e deve durar bem mais do que sua duração de mais de duas horas. O filme chega na hora certa, tanto para o começo das carreiras de Cooper como diretor e de Gaga como atriz, mas também como arte, levando entretenimento e questionamentos sobre a indústria musical para o público.

Nasce Uma Estrela
COMPARTILHE:

2 Comentários

  1. O que esperar de uma artista versátil e competente? Isso mesmo: aclamação e profissionalismo em qualquer âmbito que ela esteja.

LEAVE A REPLY