Fundo preto, duas cadeiras, uma mesinha, … e duas samambaias. Aí uma fórmula de sucesso!

O “talk show” Between Two Ferns com Zach Galifianakis iniciado em 2008, desta maneira, pouco antes de o ator dominar o mundo com a hilariante comédia Se Beber, Não Case! dirigida por Todd Phillips – que ainda ganharia outras duas sequências – , já entregava um tipo de estranheza cômica capaz de chamar muita atenção. Com quadros de no máximo seis minutos, o astro “entrevistava” algumas celebridades como Michael Cera, Jon Hamm e Jimmy Kimmel – este último, um apresentador de verdade – , de maneira a deixá-los bem constrangidos com perguntas impróprias ou até ofensas.

Agora, esta brincadeira criada por Scott Aukerman e B.J. Porter ganha uma versão tipo longa-metragem com Zach Galifianakis almejando algo mais, como ter um talk show que passa à noite, com cenário mais pomposo e um DJ particular para entreter a platéia e convidados famosos, só que para isso o apresentador terá que convencer seu chefe Will Ferrell que tem a capacidade de ter seu próprio programa de TV noturno. Assim, Galifianakis e sua fiel equipe partem em uma road trip pela América caçando celebridades a serem entrevistadas.


Esta produção Netflix dirigida por Scott Aukerman e roteirizada pelo mesmo junto de Galifianakis acerta em cheio quando faz o que já sabe, ou seja, criar uma atmosfera de estranhamento entre apresentador e entrevistado, via cenário precário, ausência de música de fundo na entrada do convidado, além de duas vistosas e bem cuidadas samambaias nas pontas. Já, o recheio desta receita de puro constrangimento: um anfitrião que não liga a mínima para quem está à sua frente, e que não se segura nem um pouquinho em provocar ou xingar qualquer celebridade.

Entre os episódios de maior sucesso, temos: Steve Carell, onde ambos ficam se insultando por atributos físicos ou más escolhas de carreira; Charlize Theron, que fica flertando com Galifianakis de maneira canastrona; e o ex-presidente americano Barack Obama que possui mais de 27 milhões de visualizações no YouTube, onde testemunhamos o chefe de gabinete tirar um barato com o fato de Se Beber, Não Case! Parte III ter sido bem menos engraçado que os dois anteriores.

Por esta via, Between Two Ferns: O Filme se sai bem, inegavelmente. O problema é que o longa-metragem baseado no programa de televisão não fica só nisso, já que o roteiro de Aukerman/Galifianakis caminha pelo território do mocumentário, que é um tipo de filme representando eventos ficcionais, mas apresentados de modo documental.

Entre as entrevistas com tais celebridades, criou-se um enredo que mostra o astro junto de sua equipe de produção viajando de carro pela América, e são nestes momentos de interação entre alguns personagens da história que a produção original da Netflix deixa a bola cair feio. Infelizmente, só a estrela principal conseguiu naturalmente exibir seu talento humorístico, já que seus colegas de profissão interpretados por Ryan Gaul, Lauren Lapkus e Jiavani Linayao anunciam uma falta de entrosamento em cena que é incontestável.

É clara a influência de Borat – O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América em Between Two Ferns: O Filme. Mas, o roteiro do comediante Sacha Baron Cohen não deixa a peteca cair, pois está sempre jogando sal na ferida satírica, enquanto o enredo da produção Netflix estabelece tons mais brandos, diminuindo muito a energia da trama.

É como um álbum de canções que possui alguns sucessos certeiros, e outras músicas que não chamam nenhuma atenção. E, que geralmente fazem o ouvinte ir pulando faixas até chegar nos hits mais populares.

Dentre os momentos mais divertidos desta produção, temos as entrevistas com Matthew McConaughey, Paul Rudd, Keanu Reeves e Tessa Thompson – esta última, talvez a mais engraçada do filme. É aqui, onde acontece o alinhamento dos astros, e é possível notar o talento cômico natural de Zach Galifianakis em paralelo com um texto afiado, e por certas vezes, surpreendente.

Certamente, o formato original consegue elevar a qualidade do material, melhor do que a versão tipo longa-metragem, contudo, mesmo que de maneira desnivelada, Between Two Ferns: O Filme consegue fazer rir. E, é certeiro afirmar que boa parte destes risos se concentram nos créditos finais desta produção original Netflix, que dispõe ao assinante os erros de gravação, com o comediante e os famosos com dificuldade de segurar o riso pelas ofensas proferidas.