Quando o assunto são adaptações de séries televisivas ao cinema, boa parte dos casos se enquadra entre duas categorias: aquelas que obedecem a uma de poucas fórmulas, revelando como as personagens se conheceram e/ou colocando-as em uma situação extraordinária, e aquelas que mais parecem episódios estendidos, longos ou superproduzidos demais para serem exibidos na telinha. Vai Que Cola 2: O Começo pode ser visto como o primeiro exemplo, mas acaba desafiando, para melhor e para o pior, ambas as definições ao tornar-se, em seu decorrer, um tipo de produção completamente diferente do que se espera.

Como o título bem indica, Vai Que Cola 2: O Começo retorna alguns anos na linha temporal da série para revelar como Ferdinando (Marcus Majella), Jéssica (Samantha Schmütz), Terezinha (Cacau Protásio) e Máicol (Emiliano D’Ávila) tornaram-se companheiros de pensão no bairro do Méier. O que começa como uma tradicional história de origem, seguindo em paralelo as tramas individuais das personagens, torna-se muito mais surreal assim que seus caminhos passam a se cruzar, criando situações impossivelmente cartunescas que sacrificam qualquer traço de verossimilhança a serviço do humor característico da série.

Este tipo de abordagem não é inédito às nossas comédias, mas o filme de César Rodrigues eleva a proposta à enésima potência, ao ponto de remeter às produções de David Wain, em especial seus seriados complementares a Wet Hot American Summer, onde personagens ganhavam histórias de origem nonsense que criavam incongruências cômicas e uma série de “furos” propositais. Embora Vai Que Cola 2 nunca chegue ao mesmo grau anárquico de descaso narrativo – afinal, uma das personagens em Wet Hot tornava-se uma lata de conserva falante -, é ensandecido o bastante para se destacar entre a safra, fazendo bom proveito do alto valor de produção – fotografia, montagem e efeitos superam a média.


O que torna esta chave nonsense mais deslumbrante é o fato do longa não anunciar sua ida ao surreal por uma boa metade de sua duração. Na realidade, Vai Que Cola 2 tem início no outro oposto, com imagens vibrantes do Morro do Cerol e uma boa descrição desta comunidade, assim como o mundo particular de Ferdinando, que começa sua jornada aqui como outsider. O longa passa a remeter, em uma ou duas cenas, à dinâmica do seriado gravado ao vivo – as inserções de músicas são tão abruptas quanto na versão televisiva. É a partir de um ponto de virada envolvendo Tiziu (Fábio Lago) que Rodrigues e seu filme fazem uma curva fechada ao bizarro.

Grande parte das piadas é pouco sofisticada ou específica ao material do qual se origina, portanto o espectador fora desta frequência deve se encontrar diante de uma experiência alienante, mas há de se reconhecer uma certa liberdade refrescante em sua ideia de metalinguagem. Se alguns momentos chave consistem apenas em referências pop aleatórias, aparentemente incluídas em uma última instância para pegar o calor de certas produções vizinhas de circuito, há uma variedade de trechos que funcionam seja pela absoluta falta de lógica – Sanderson (Marcelo Médici), que literalmente cai de paraquedas em cenas – ou pela aposta na nostalgia – Ferdinando recriando Lua de Cristal.

Mas submerso até o pescoço neste humor sem amarras, o longa não evita tornar-se cansativo, carecendo ainda de uma estrutura mais sólida que comporte todas suas loucuras. A abordagem pode trazer seu frescor diante de outras produções cômicas recentes, mas o ritmo da produção sai prejudicado pela hiperatividade, e isso faz com que Vai Que Cola 2 aparente muito mais longo do que realmente é. Nisso, a dinâmica de cena do seriado ainda se demonstra demasiado presente, mesmo que a linguagem dos palcos tenha sido bem adaptada às telonas – há transições de cena muito eficazes -, e logo se assenta a sensação de que as piadas frouxas não são meios para um fim, mas ele próprio.

Às vezes, há mais mérito em uma comédia que descarrilha de forma interessante do que uma presa e segura em seus trilhos, e Vai Que Cola 2: O Começo faz uma boa defesa disso. O elenco reunido não tem muito em mãos além das típicas piadas e frases de efeito de suas personagens, mas está à vontade dentro do registro absurdo pelo qual a trama pede. Já os aspectos técnicos dão conta de sustentar a atmosfera de exagero constante, em meio a trechos genuinamente inspirados de linguagem. Ainda assim, não há como negar a falta de uma estrutura e o impacto que tem no apreciamento. É como despejar meio litro de absinto sobre um copo americano – e ter de beber o resto diretamente do chão.