Uma produção colombiana que procura cativar o público jovem-adulto internacional da Netflix, Sempre Bruxa apresenta vários problemas comuns em produções pouco experientes, mas a premissa interessante deve ser suficiente para manter os espectadores engajados ao longo desta primeira temporada.

Sempre Bruxa acompanha Carmen Eguiluz (Angely Gaviria), uma jovem escrava de Cartagena que acaba se envolvendo com o filho dos nobres que a compraram, e é condenada à morte após ser acusada de bruxaria em 1646. Enquanto está presa, a jovem conhece um poderoso bruxo chamado Aldemar (Luis Fernando Hoyos), que lhe oferece a possibilidade de se reunir com seu grande amor, em troca de uma difícil tarefa. Carmen deve viajar para o futuro e encontrar uma das discípulas de Aldemar, escapando da fogueira no último momento.

Por si só, a proposta da série é capaz de chamar a atenção de qualquer espectador interessado em tramas jovens sobrenaturais (cuja procura continua extremamente relevante para a Netflix). Colocar a personagem do século XVII nos tempos atuais também apresenta potencial para diversas situações que sustentariam a série por vários episódios, e adicionando a “dinâmica universitária” em que Carmen se vê inserida neste novo mundo, não fica difícil imaginar o por quê de Sempre Bruxa ter tido sua produção aprovada.

>> CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

No entanto, os principais problemas da série já podem ser identificados logo no primeiro episódio. A exposição da trama e das “regras” deste universo mágico é pouco orgânica, além de muitas vezes ineficiente. Não duvido que muitos espectadores se peguem confusos, ao longo da temporada, por não terem percebido certos elementos que a série introduz sem o destaque apropriado.

De forma semelhante, as funções e contextos dos personagens também requerem uma certa disposição do espectador para que sejam adequadamente compreendidas. Uso como exemplo, a personagem que Carmen precisa encontrar no futuro, a professora Ninibe (Verónica Orozco). Inicialmente apresentada como uma discípula de Aldemar que detém as respostas para as perguntas da protagonista, a personagem não tem sua função de “mestra experiente” devidamente enaltecida. Sendo assim, seu sumiço não produz o efeito esperado de deixar o espectador ansioso pela típica “perda do mestre”, e sua importância acaba sendo melhor contextualizada apenas por diálogos mais adiante.

Os amigos de Carmen, embora eventualmente possam compor uma dinâmica de grupo moderadamente engajante, também demoram a ter suas funções e personalidades devidamente retratadas (Creio que o episódio da viagem escolar é o primeiro em que podemos começar a encarar estes personagens com a devida perspectiva que a série almeja que tenhamos sobre eles).

Sempre Bruxa também acaba ficando em desvantagem, uma vez que suas construções narrativas seguem convenções já bem conhecidas do público-alvo, como aliados não tão bonzinhos quanto parecem, e antagonistas que se revelam não tão vilanescos assim. Sendo assim, quando um determinado episódio resolve tentar plantar dúvidas sobre algum personagem, ou expandir a trama com outros elementos mágicos, apenas espectadores pouco familiares com o gênero não irão facilmente identificar as maquinações por trás do roteiro.

Os “foreshadowings” da série (momentos em que são apresentados elementos indecifráveis, de início, apenas para retomá-los mais adiante com consequências significativas para a trama), também, não são tão eficientes, às vezes, por falta de clareza, e outras vezes, por serem pouco originais. Muitos diálogos acabam perdendo qualquer naturalidade, por serem evidentemente construídos apenas (e descaradamente) em função das necessidades do roteiro de mover a trama na direção desejada. É um erro comum em histórias superficiais, onde a trama é construída através de fórmulas narrativas, sem o devido trabalho para adequar estas fórmulas à expressões mais orgânicas.

E sobre a protagonista, a atriz Angely Gaviria coloca um carisma eficiente em Carmen, equilibrando a ingenuidade de uma personagem deslocada com sua impetuosidade típica de personagens principais. Após alguns episódios, um mero diálogo também revela que Carmen é uma espécie de “escolhida”, tal qual tantos outros protagonistas de histórias infanto-juvenis, mas esta atribuição soa gratuita, uma vez que a série não parece ter muitas aspirações para o aprofundamento de tal classificação, além do óbvio.

Também me incomoda a forma superficial como Sempre Bruxa procura lidar com a velha ideia de uma personagem “fora de seu tempo”. Em geral, a circunstância é utilizada para gerar alívios cômicos em meio aos personagens universitários, mas considerando o quanto a série parece interessada nos paralelos sociais entre o presente e o século XVII, fiquei surpreso de ver como muitas oportunidades para se discutir estes paralelos foram perdidas, ou apenas tratadas de forma rasa ou pragmática.

Ao invés disso, a trama acaba sendo composta, em boa parte, pela tal “dinâmica universitária” entre Carmen e seus amigos, tentando conquistar o público-alvo através da familiaridade. Não me espanta, nem um pouco, descobrir que a série foi baseada em um livro, uma vez que boa parte da execução de Sempre Bruxa segue os padrões estabelecidos nos últimos anos, visando atrair jovens adultos para dramas relativamente pouco profundos, cercados por elementos sobrenaturais (Crepúsculo, Shadowhunters e Supernatural, estou olhando para vocês). A cartilha é seguida sem receios por aqui, e sua eficiência continua difícil de ser questionada.

Todos estes problemas pouco importam ao espectador que se sentir atraído pela trama e pelos personagens de Sempre Bruxa. Por mais superficial que seja, também não há muita presunção que vá afastar o público, sempre mantendo-se um tom descontraído e uma estrutura palatável para que a série seja consumida descompromissadamente. Além disso, (tornando os episódios ainda mais agradáveis de assistir) os cenários e locações da série são simplesmente magníficos. As praias e edifícios antigos desta cidade produzem deslumbres por si só, extremamente atraentes para o espectador, evidentemente enaltecidas pela fotografia e pela direção.

Eis que, no final, Sempre Bruxa produz mais algumas demonstrações de efeitos práticos e digitais medianos, desenvolvimentos narrativos previsíveis, e conclusões pragmáticas para o arco principal desta temporada. Nada de novo debaixo do sol. O gancho para uma possível segunda temporada, no entanto, indica que a série estaria disposta a se aventurar mais pelas armadilhas típicas de tramas que abordam viagens no tempo, compreensivelmente estendendo o apelo ao espectador cativo. Com um roteiro um pouco mais audacioso, e uma direção mais competente, quem sabe a série poderia acabar fazendo jus ao potencial de sua premissa.

Sempre Bruxa
COMPARTILHE: