Como uma das produções responsáveis por engatar o novo serviço Disney+ nos EUA, HIgh School Musical: The Musical: The Series se apresenta como uma dramédia adolescente que pretende agradar os fãs do musical juvenil, mas sem se prender ao universo do filme original.

HIgh School Musical: The Musical: The Series é um falso-documentário que se passa na escola onde o High School Musical foi gravado, mas que nunca produziu a própria versão escolar do filme da Disney (Nos EUA, é comum que escolas promovam suas próprias produções musicais com os alunos, durante o ano). A intenção, baseando-me neste primeiro episódio, parece ser utilizar a conhecida história de Troy e Gabriella para apresentar um novo, e atualizado, ambiente escolar, entregando tanto novas performances para as músicas originais, quanto músicas inéditas. 

E já que a nova série resolveu adotar este enorme título que eu devo citar ao longo do texto, vamos aproveitar para analisar se HIgh School Musical: The Musical: The Series possui potencial para conquistar seu público-alvo, e entregar um resultado satisfatório para cada uma de suas partes:


Em primeiro lugar, há de se perguntar se HIgh School Musical ainda possui uma base de fãs tão expressiva a ponto de conseguir chamar atenção para uma nova série como esta. Afinal, os adolescentes que puderam conferir o fenômeno do filme original já estão bem mais velhos nos dias de hoje, mas não o suficiente para criar o mesmo tipo de interação que outras produções dos anos 80 e 90 tem tentando construir, atualmente.

 O fator “nostalgia”, portanto, acaba tendo seu impacto consideravelmente questionado, mas como hoje em dia parece ser irresistível retomar qualquer franquia que tenha tido uma repercussão considerável há mais de dez anos atrás, não chega a ser uma surpresa que a DIsney esteja tentando aproveitar a familiaridade do público com o filme (ao menos, enquanto ainda é tempo). Mas a verdade é que, com o sucesso da série “Glee”, High School Musical foi se tornando relativamente enfadonho para o seu público alvo, quando este podia conferir uma outra produção muito mais tematicamente ambiciosa, e com performances de sobra para lotar a lista de músicas no “ipod” (Spotify ainda não era tudo isso).

Em segundo lugar, há o quesito musical. Existe um público considerável que é fã de musicais, e encararia qualquer tipo de produção que se encaixe dentro do gênero. Se HIgh School Musical: The Musical: The Series conseguir ser uma série digna de atenção deste público por conta de suas músicas originais, pode ser que a Disney encontre o sucesso que está esperando, até mesmo fora do suposto público que busca a nostalgia do filme original. Tudo que a série precisa, é de uma música que faça sucesso de verdade, e que seu elenco mirim mantenha o padrão esperado em suas performances. 

Mas a ideia de intercalar as músicas do filme com músicas novas pode acabar embolando estas intenções, principalmente se as novas composições forem seguras demais para chamar qualquer atenção real. Ainda será preciso conferir o resto da temporada, portanto, para descobrirmos se verdadeiros números musicais memoráveis podem surgir ao longo da série (e quando digo memoráveis, não estou mirando nos fãs de musicais necessariamente, mas no adolescente que se pegar engajado pela produção). 

Por fim, HIgh School Musical: The Musical: The Series também precisa se estabelecer como uma série propriamente engajante para o seu público-alvo. O formato da série costuma ser mais comum às típicas comédias de TV aberta americana, como The Office ou Modern Family, e enquanto a produção parece ter encontrado um certo conforto em poder aproveitar os comentários individuais entre cenas, seu momentos com drama juvenil podem acabar sendo prejudicados pelo distanciamento. 

Claramente, High School Musical: The Musical: The Series pretende ser uma opção descontraída para jovens e famílias aproveitarem o novo serviço de streaming da Disney sem muito compromisso. Esta segurança também era uma característica que marcava os filmes originais da franquia, além de ser constantemente associada com todos os produtos da marca “Disney”. Sendo assim, seria difícil imaginar que a produção pretende comentar suas referências com uma comédia mais afiada e relevante para a geração atual. Mas, quem sabe, com um pouco de entusiasmo pelo gênero musical, a série pode acabar se tornando mais do que apenas um derivado confortável.