Uma das acusações de assédio sexual contra Harvey Weinstein foi rejeitada pela justiça norte-americana. O comunicado foi feito nesta quinta-feira (10).

O juiz da corte de Los Angeles Philip Gutiérrez decidiu que a atriz Asheley Judd pode apenas seguir com o processo de difamação. A autoridade não teria encontrado fundamentos para julgar o acusado pelo crime sexual.

Judd acusa Harvey Weinstein de ter arruinado a sua carreira em Hollywood após ela não ceder diante dos assédios do produtor. Entre os trabalhos perdidos por conta do homem estaria um papel em O Senhor dos Anéis.


Caso contra Harvey Weinstein continuará sendo julgado em 2019, garante a justiça

Do outro lado, o acusado alegou que tinha um pacto sexual com a atriz, acordado no final da década de 90. Judd garante que o acordo foi feito para escapar do assédio do produtor, já que os dois estavam em um quarto de hotel.

Gutiérrez explicou que um assédio acontece quando há uma relação de trabalho constituída. Para o juiz, isso não aconteceu entre Harvey Weinstein e Ashley Judd.

Harvey Weinstein está sendo acusado por mais de 60 mulheres por diversos crimes sexuais. Com o risco de ser condenado à prisão perpétua, o ex-produtor pretende usar todas as armas a seu alcance para lutar pela absolvição ou por uma pena mais leniente.