Dois grandes cineastas americanos que praticamente entraram em uma lista negra em Hollywood são Woody Allen e Roman Polanski. Ambos foram acusados de abuso sexual, com o diretor polonês tendo pagado pena na cadeia e Allen tendo sido inocentado duas vezes.

Nenhum deles é capaz de fazer filmes nos EUA, mas algumas celebridades aparecem momentaneamente para defender um deles. A mais recente a fazer isso é Anjelica Huston, para o The Hollywood Reporter.

“Isso veio depois de dois estados investigarem ele, e nenhum dos dois o processou. Eu trabalharia com ele de novo na hora”, diz Huston, que trabalhou com Allen em Crimes e Pecados.


Huston então falou sobre a situação de Polanski, que foi processado após ter relações com uma menor de idade na década de 1980.

“Ele pagou seu preço, e na época que aconteceu, era meio que sem precedentes. Isso não era um situação incomum. Sabe aquele filme Educação, com Carey Mulligan? Isso aconteceu comigo. É sobre uma colegial na Inglaterra que se apaixona por um cara mais velho, Peter Sarsgaard. Eu conheci meu primeiro namorado sério quando ele tinha 42 e eu 18 anos”, explica a atriz.

“Ele era bem mais velho do que eu. Quero dizer, velho o bastante pra ter juízo. Mas essas coisas acontecem, é isso que quero dizer. Essas coisas não eram julgadas na mesma base que hoje. Então não dá pra comparar”, explica Huston.