Após Roman Polanski ter processado a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas após sua expulsão, a instituição ofereceu uma resposta nesta terça-feira (11).

A Academia respondeu que ele foi convidado a entregar qualquer informação por escrito que justifique sua permanência como membro na Academia. Todo o material, que incluiu uma carta de 10 páginas, uma cópia do documentário Roman Polanski: Wanted and Desire e um depoimento em vídeo, foi julgado pela Academia em janeiro de 2019.

A Academia considera esse processo “justo e razoável”.


O famoso diretor foi expulso ainda em maio de 2018, quando recebeu uma série de acusações de abuso sexual. Roman Polanski afirma que a sua expulsão não foi “apoiada de acordo com as regras”.

Em comunicado, a AMPAS afirma que “os procedimentos seguidos para expulsão do Senhor Polanski são justos e razoáveis. A Academia acredita que a decisão é apropriada”.

Roman Polanski foi expulso na mesma época que o comediante Bill Cosby. Meses antes da saída da dupla, a Academia agiu rapidamente para demitir Harvey Weinstein, produtor que se tornou o centro de grande parte das acusações de assédio sexual do movimento #MeToo.