A cidade de Odessa, na Ucrânia, já foi definida pelo grande poeta russo do século XIX, Alexander Pushkin, como “a mais europeia das cidades russas” (na época fazia parte do Império Russo). A cidade foi cenário daquele que é considerado o melhor filme de todos os tempos ao lado de Cidadão Kane: O Encouraçado Potemkin, dirigido pelo cineasta soviético nascido na Letônia, Serguei Eisenstein (Ivan, o Terrível). O Festival Internacional de Cinema de Odessa está em sua sexta edição – de 11 a 18 de julho de 2015 – e, a cada ano, vem se firmando como um importante festival do leste europeu como, por exemplo, o Festival Internacional de Cinema de Karoly Vary, na República Tcheca (veja aqui).

A guerra civil que os ucranianos vem travando com separatistas pro-russos desde março de 2014 – e que teve a região da Crimeia anexada pela vizinha Rússia – afetou a produção local e diminuiu o número de participantes, mas não impediu a realização do festival deste ano. Entretanto, por razões financeiras, a programação inclui mais documentários que ficções conforme explica a diretora do festival, Viktoriya Tigipko:

“A indústria do cinema na Ucrânia atravessa um momento difícil devido ao problemas financeiros, mas existe uma estratégia para desenvolvê-la e é necessário pô-la em prática. Há muitos diretores talentosos mas não basta fazermos 10 ou 15 filmes com o apoio do governo. Temos de fazer dezenas de filmes por ano”.


A edição deste ano apresenta como um de seus destaques o filme turco Sivas, cuja história passa-se numa zona rural do leste da Anatólia e retrata a amizade inesperada entre uma criança e um cão de luta abandonado. O filme dirigido por Kaan Müjdeci venceu o Prêmio Especial do Juri, no último festival de Veneza.

Outro destaque é a produção italo-romena Odessa em Chamas, que conta a história do cerco de Odessa durante a Segunda Guerra Mundial. O filme, feito em 1942, era tido como perdido até que, em 2005, uma cópia foi encontrada na Itália, o que fez a alegria dos cinéfilos em todo o mundo.

O compositor britânico Michael Nyman (O Cozinheiro, o Ladrão, Sua Mulher e o Amante) foi um dos convidados de honra do festival e conduziu a orquestra durante a projeção do filme mudo Um Homem Com Uma Câmera, de 1929, dirigido pelo cineasta e documentarista russo nascido na Polônia, Dziga Vertov.

Tão importante quanto a realização do festival em si, e mostrar que a cidade é segura para os turistas e os profissionais da sétima arte. Além disso, deve-se louvar a coragem e determinação dos ucranianos em organizar um evento de tanto destaque para seu país apesar de todas as dificuldades que enfrentam hoje.

Veja o vídeo promocional do Festival Internacional de Cinema de Odessa (legendas em inglês):