Durante uma sessão de perguntas e respostas no Festival de Toronto para promover seu novo filme, Aliança do Crime, Johnny Depp relembrou a contribuição de Wes Craven à sua carreira.

O cineasta, que morreu no final de agosto em decorrência de um câncer no cérebro, foi responsável por lançar a carreira do ator, lhe dando um papel no primeiro A Hora do Pesadelo (1984).

Vídeo faz homenagem à carreira do diretor


Wes Craven foi o cara que deu o meu início de carreira, sem razão em particular. Eu li cenas com sua filha quando eu fiz o teste para o papel. Na época, eu era músico, e quase não atuava nada, praticamente como nos dias atuais”, brincou. “Mas Wes Craven foi corajoso o suficiente para me dar esse trabalho baseado apenas na opinião da filha dele. Eu sempre penso nela por ter me colocar nesse meio, e certamente em Wes Craven. Ele era um bom homem – descansa em paz, Wes”, concluiu Depp.

Os filmes de terror mais perturbadores de Wes Craven

Aliança do Crime leva para as telas a história real de Whitey Bulger (Depp), famoso no crime organizado, preso em 2011 e condenado por assassinato, extorsão, roubo, entre outros delitos nada leves. Bulger está hoje com 85 anos e cumpre prisão perpétua em uma penitenciária no estado da Flórida.

Segundo a Variety, “Depp nunca esteve tão bem em um filme desde Donnie Brasco”. E para o Hollywood Reporter, “o ator assume o controle do filme desde o início”. Mas alguns críticos apontaram a sua maquiagem “exagerada”, que deixaram o ator envelhecido, careca e com olhos azuis.

Johnny Depp tem atuação aclamada no Festival de Veneza

O longa estreia no Brasil em 12 de novembro.