Todo mundo sabe que é difícil encontrar a fórmula certa para encantar o público da TV. Para cada série bem-sucedida, dez outras que serão esquecidas estreiam no mercado americano – e muitas das canceladas levam consigo grandes esperanças dos atores que fazem parte do elenco.

Deram sorte: 10 atores que conseguiram emplacar duas séries de sucesso seguidas

Nessa lista, destacamos atores que tiveram um grande hit televisivo na carreira, e tentaram outras vezes depois, mas não conseguiram capturar aquela magia de novo:


SARAH MICHELLE GELLAR (Buffy) | Impossível esquecê-la como a inimitável Buffy Summers na série que levava o nome da personagem. No ar entre 1996 e 2003, Buffy: A Caça-Vampiros foi um dos sucessos mais marcantes da sua época – mas Gellar não teve sorte nas tentativas posteriores de retornar para a TV. Tanto Ringer (2011-2012) quando The Crazy Ones (2013-2014) foram canceladas após apenas uma temporada.

KATHERINE HEIGL (Grey’s Anatomy) | Não dá para deixar Heigl de fora dessa lista. A eterna “perseverante” da TV americana deixou o sucesso Grey’s Anatomy na sexta temporada, em 2010, para perseguir carreira no cinema. Não deu muito certo, e quando as ofertas secaram ela tentou retornar em State of Affairs (2014-2015) e Doubt (2017), ambas canceladas na primeira temporada. Agora, ela terá papel na vindoura oitava temporada de Suits.

MATTHEW PERRY (Friends) | O sucesso de Friends foi tão imenso que muita gente duvidava que os seis atores em seu cerne tivessem outro sucesso. No entanto, todos eles encontraram projetos bem sucedidos eventualmente – a não ser Perry, o eterno Chandler, que tentou com Studio 60 on Sunset Strip (2006-2007), Mr. Sunshine (2011), Go On (2012-2013), e The Odd Couple (2015-2017), mas não conseguiu emplacar nada.

HENRY WINKLER (Happy Days) | O clássico caso da “síndrome do personagem marcante demais”. No caso de Winkler, se tornou impossível fugir do fantasma do “Fonzie”, que foi o personagem mais popular da TV americana entre 1974 e 1984, quando Happy Days foi ao ar. Desde então, ele tentou emplacar Monty (1994) e Out of Practice 2005-2006), mas nenhuma delas colou – logo, se renegou a aparições esporádicas em séries de sucesso como Royal Pains e Arrested Development.

MISCHA BARTON (The O.C.) | Pouca gente se lembra, mas a Marissa Cooper de The O.C. tentou montar um retorno inesperado às telas de TV em 2009, com uma série chamada TBL: The Beautiful Life, que foi um fracasso tão retumbante que exibiu só cinco episódios antes do cancelamento. Desde então, ela se limitou a filmes-B para continuar colocando comida na mesa.

EVA LONGORIA (Desperate Housewives) | A atriz mexicana foi definitivamente a grande revelação do sucesso Desperate Housewives, que ficou no ar entre 2004 e 2012. No entanto, depois disso, ela não conseguiu emplacar mais nenhum hit como atriz. Ela tentou em animação com Mother Up! (2014-2015) e em sitcom com Telenovela (2015-2016), mas nem suas participações especiais em Empire fizeram com que a estrela de Longoria desse certo.

JEREMY PIVEN (Entourage) | Embora muito criticada hoje em dia, Entourage foi um dos maiores sucessos da HBO entre 2004 e 2011, transformando Jeremy Piven em um astro. Após tentar se refugiar na TV britânica com Mr. Selfridge (2013-2016), Piven voltou aos EUA com Wisdom of the Crowd, que estreou no ano passado. A baixa audiência (e as denúncias de assédio contra o astro) devem enterrar mais essa tentativa de retorno.

WILL ARNETT (Arrested Development) | É curioso que Will Arnett, um cara com um faro cômico tão excepcional, não tenha conseguido emplacar nenhuma série com o seu nome no topo dos créditos depois de Arrested Development se tornar um clássico cult. Não foi por falta de tentativa: Running Wilde (2010-2011), Up All Night (2011-2012), The Millers (2013-2015) e Flaked (2016-2017) que o digam. Ainda bem que ele encontrou refúgio na dublagem de Bojack Horseman (2014-), na Netflix!

DEBRA MESSING (Will & Grace) | É verdade que o mundo todo sentia saudades de Will & Grace quando a NBC anunciou o retorno da sitcom, mas nenhum dos astros da série tinha se dado muito bem na carreira depois dela tampouco. Messing é o exemplo principal – ela tentou emplacar The Starter Wife (2007-2008), Smash (2012-2013) e The Mysteries of Laura (2014-2016).

RICKY GERVAIS (The Office) | É complicado julgar o sucesso ou fracasso de uma série de Ricky Gervais, porque mesmo as que são um enorme hit não ficam no ar por muito tempo. Teimosamente britânico nesse sentido, Gervais não gosta de produzir muitos episódios da mesma trama, nem mesmo com a The Office original (2001-2003) e o sucesso Extras (2005-2007). No entanto, impossível negar que Life’s Too Short (2011-2013) e Derek (2012-2014) não causaram o impacto de suas antecessoras.