Freddy Krueger, o assassino enviado diretamente do inferno para ficar famoso em A Hora do Pesadelo, já causou grande polêmica por conta do seu sucesso. Há 27 anos, o prefeito Tom Bradley tentava criar Dia do Freddy Krueger em Los Angeles, o que acabou criando grande confusão.

Na época, autoridades da cidade norte-americana acharam a homenagem mórbida, principalmente porque Los Angeles era uma das líderes em índices de violência. Uma das vozes contra a celebração do personagem era Tammy Bruce, presidente da Organização Nacional das Mulheres, que definiu como “horrenda” a data.

Outros políticos de Los Angeles chegaram até a pedir que Tom Bradley fizesse um pedido de desculpas públicos por conta da ideia.


“É inacreditável. Quer dizer que você pode comemorar esfaqueando alguém?”, questionou Jerry Rubin na época, diretor de uma grande organização de Los Angeles, a Alliance for Survival.

A Hora do Pesadelo | Robert Englund teve uma ideia para um reboot

O que acabou encerrando a polêmica foi o próprio Freddy Krueger, quer dizer, o ator Robert Englund, e os filmes A Hora do Pesadelo. Para conseguir marcar o dia 13 de setembro como o Dia do Freddy Krueger, o trabalho para caridade de Englund e “o aumento na economia” causado pelos filmes da franquia, gravados na cidade, foram justificativas para a oficialização da homenagem.

No fim das contas, o dia foi oficializado, de propósito na data de lançamento de A Hora do Pesadelo 6 – Pesadelo Final: A Morte de Freddy. Nos dias atuais, os fãs podem comemorar sem a grande polêmica que foi criada na época.

Para tristeza dos fãs nesse 13 de setembro, o último filme de A Hora do Pesadelo foi lançado apenas em 2010. Há informações de que um novo remake estaria em desenvolvimento, mas esse projeto ainda não conta com atualizações.