Com estilo e estética inconfundível, o diretor Wes Anderson empresta sua sensibilidade artística para o Kunsthistorisches Museum, na capital austríaca, no lançamento de sua exposição Spitzmaus Mummy in a Coffin and Other Treasures (A Múmia de Spitzmaus em um Caixão e Outros Tesouros).

Próximo filme de Wes Anderson pode ser um musical pós-Segunda Guerra Mundial

Só pelo nome já dá para perceber que a exposição, assim com os filmes de Anderson, será inusitada e terá um estilo único.


A peça título da exposição não é uma múmia verdadeira. É apenas um pequeno túmulo datado do século IV antes de Cristo, aproximadamente do tamanho de uma caixa de sapatos, com os restos de uma mortalha em seu interior.

De acordo com o site Artnet, todas as 430 obras da exposição foram escolhidas a dedo por Wes Anderson e sua esposa, Juman Malouf.

As obras expostas todas têm em comum o quase anonimato. Elas são caracterizadas como peças não-vistas, guardas em armários, caixões e lugares onde não há espaço para os holofotes.

O filme mais recente produzido por Wes Anderson foi Ilha dos Cachorros, animação em stop-motion lançada no início desse ano.