Brian May, guitarrista do Queen, segue respondendo às críticas da cinebiografia Bohemian Rhapsody, de Freddie Mercury. Dessa vez, junto das declarações, o músico deu uma notícia importante sobre filme.

Apesar do sucesso nas bilheterias, o filme sofre com comentários de que é superficial, mudou a ordem cronológico de acontecimentos importantes e fatos da vida de Freddie Mercury. Brian May segue afirmando que o cantor, se estivesse vivo, teria adorado Bohemian Rhapsody.

“Eu acho que ele teria sentido que era um retrato justo, na verdade. O filme mostra toda a sua grandeza e toda a sua falibilidade e insegurança”, afirmou o guitarrista ao Express.


O membro original do Queen também garantiu que o final do filme exibido estava nos planos iniciais. Além disso, desmentiu que houve a intenção de mostrar a vida da banda sem Freddie Mercury.

“Alguém sem importância disse: ‘Ah, eles vão retratar Freddie morrendo no meio do filme, e então o resto será sobre a vida sem Freddie. Bom, imbecis. É tudo sobre Freddie, e acho que o Live Aid é um bom ponto para terminar o filme”, contou Brian May.

Bohemian Rhapsody | Música do Queen é eleita a mais baixada do século 20

Logo depois, o guitarrista deu a grande notícia: o longa pode ter uma continuação.

“Quem sabe, pode haver uma sequência. Quem sabe pode haver um filme sobre a vida de Freddie entre 1985 e 1991”, declarou o músico, sem dar maiores informações.

Bohemian Rhapsody retrata a rápida ascensão de Freddie Mercury (Rami Malek) e do Queen ao sucesso. A trama ainda pretende explorar a relação do líder com os seus colegas de banda, Brian May (Gwilym Lee), John Deacon (Joseph Mazzello) e Roger Taylor (Ben Hardy).

O elenco ainda conta com participações de Lucy Boynton, Mike Myers e Tom Hollander.

A direção ficou por conta de Bryan Singer. Já o roteiro é assinado por Anthony McCarten, que foi indicado ao Oscar pelos dramas biográficos A Teoria de Tudo e O Destino de uma Nação.

Bohemian Rhapsody está em exibição no Brasil.