Rocketman chega na próxima semana aos cinemas brasileiros e traz uma abordagem diferente para uma cinebiografia. Esse lado pode gerar comparações com Bohemian Rhapsody, que contou a história de Freddie Mercury e do Queen. O fato foi observado pelo portal Digital Spy.

A nova cinebiografia conta a história de Elton John, desde a sua infância. Em alguns momentos, o filme se transforma em uma fantasia musical para repassar uma trama vivida pelo músico.

Um desses exemplos é quando Elton John precisa ir para reabilitação. Ao Digital Spy, o diretor Dexter Fletcher lembrou que nem sempre as memórias são fiéis ao que acontece.


“Elton é um contador de histórias e o filme tem as suas memórias. Às vezes nossas memórias nos enganam ou lembramos das coisas mais coloridas, ou ainda de diferentes maneiras do que realmente aconteceu”, disse o cineasta.

É justamente essa a diferença de Rocketman e Bohemian Rhapsody. O filme de Elton John mostra a vida do músico sem se preocupar com os detalhes dos fatos, enquanto o de Freddie Mercury foi criticado por alterar a linha do tempo de acontecimentos da vida do cantor.

Quando Bohemian Rhapsody se abriu para o jeito tradicional de uma cinebiografia, permitiu que os fãs analisassem os fatos históricos. Um exemplo é o ensaio para o Live Aid, em 1985. Na vida real, não há registros de que o astro contou para banda que tinha HIV. Os membros do Queen só souberam anos mais tarde.

No entanto, isso é apenas um detalhe. Rocketman e Bohemian Rhapsody são dois grandes filmes de dois grandes ícones.

Rocketman chega em 30 de maio nos cinemas brasileiros.