Assistiu X-Men: Fênix Negra e não gostou? Então você não viu nada ainda. Os X-Men quase tiveram um filme nos anos 1980, que seria, no mínimo, terrível.

Em 1982, o estúdio de animação canadense Nelvana adquiriu os direitos de adaptação de X-Men porque queriam fazer um filme em live-action da equipe.

Segundo o Yahoo Movies, a Nelvana trouxe o famoso roteirista Chris Claremont, que entregou duas opções, ambas que soam infinitamente melhores do que a ideia do estúdio.


Em uma delas, Charles Xavier é possuído por um mutante chamado Proteus e em outra, Magneto levanta uma ilha do Oceano, destruindo um submarino soviético cheio de ogivas nucleares, criando um vulcão em uma cidade Russa.

Depois de uma série de adiamentos, Claremont deixou o projeto e os roteiristas da Marvel Roy Thomas e Gerry Conway foram levados para o projeto.

A Nelvana chegou a fechar um acordo de distribuição com a Orion e eles tinham suas próprias ideias para o projeto e dois produtores sem experiência começaram a influenciar o projeto.

Aí tudo começou a dar errado.

No roteiro da dupla nada experiente (e não nomeada) o professor Xavier andava, a escola Xavier não existia e, para piorar, a palavra ‘mutantes’ sequer era citada.

Felizmente, o filme nunca viu a luz do dia e os direitos acabaram indo para a Fox, que, em 2000, produziu o primeiro filme dos X-Men.