Quando o Homem-Aranha foi introduzido no MCU (sigla em inglês para Universo Cinematográfico da Marvel), Tony Revolori foi escolhido para ser Flash Thompson, popular personagem do mundo de Peter Parker. Porém, o artista sofreu duras críticas.

Alguns fãs não gostaram da escalação por Revolori ser filho de imigrantes da Guatemala. Nos quadrinhos, Flash é apresentado como um jovem musculoso, caucasiano e loiro.

Para o ET Live, o ator contou como Stan Lee, o lendário quadrinista que faleceu em 2018, o ajudou a superar as críticas. Tudo aconteceu em 2017, na Comic-Con, quando Homem-Aranha: De Volta ao Lar estava estreando nos cinemas.


“Eu estava lá com Jacob Batalon e falaram para ele (Stan Lee), que foi muito legal e gentil. Ele até fez uma piada, ‘Eu aposto que você ficou louco comigo que não te dei poder de velocidade ou algo assim’. Lembro que ele mandou um dos assistentes pegar algo e ficamos conversando. Então, tive que sair, para coletiva ou algo assim. Mas, antes ele pediu para esperar um pouco. O assistente voltou com uma HQ do Homem-Aranha, em que Flash Thompson mostra como admira o herói, perde as pernas e se torna até o Agente Venom. Ele escreveu algumas palavras e assinou para mim, ‘Aqui está. E eu sei que os fãs podem ser terríveis, mas você será o melhor Flash’. E, sabe, ele não precisava ter dito nada, mas me fez muito bem. Tinha uma lágrima no meu olho'”, relembrou o ator.

Em Homem-Aranha: Longe de Casa, Tom Holland retorna como Homem-Aranha. Zendaya, Marisa Tomei, Martin Starr, Jon Favreau, Jacob Batalon e Tony Revolori também estão de volta no filme, que move a ação para férias escolares na Europa.

Samuel L. Jackson também participa como Nick Fury, assim como Cobie Smulders reprisa o papel de Maria Hill. Jake Gyllenhaal é o Mysterio.

Homem-Aranha: Longe de Casa está em cartaz nos cinemas brasileiros.