Os fãs da Marvel foram pegos de surpresa no final do mês passado quando a Sony Pictures interrompeu sua parceria com o MCU da Disney. O Homem-Aranha de Tom Holland não vai mais fazer parte do universo dos Vingadores, devido a disputas financeiras entre os dois estúdios. E agora?

O MCU praticamente construía uma narrativa onde Peter Parker assume o manto de Homem de Ferro como o próximo grande herói da franquia – e uma das críticas que a saga sofria era a de justamente descaracterizar o personagem a fim de transformá-lo em uma versão teen de Tony Stark. Por um lado, é ótimo que Peter Parker volte a ter apenas a segurança da vizinhança – e não do multiverso – como preocupação. Mas isso agora deixa a Fase 4 da Marvel com esse buraco narrativo.

“Nunca seria para durar para sempre. Sabíamos que havia um tempo limitado para fazermos isso, e contamos a história que queríamos contar, e sempre serei grato por isso”, disse Kevin Feige em uma entrevista para a Entertainment Weekly durante a D23 deste ano. Se essa era mesmo a história pretendida para contar, porque raios ela acaba com um dos cliffhangers mais brutais da trajetória do Homem-Aranha nos cinemas? Como tudo na Marvel Studios, não é um ponto final sob nenhuma ótica, e fica claro que esse acordo era pretendido para durar muito mais tempo.


Além disso, durante o lançamento de Homem-Aranha: Longe de Casa, o diretor Jon Watts falou sobre o terceiro filme com Tom Holland, que já era planejado. “Eu sei algumas das direções para ir, mas em termos de como afetou esse filme, eu diria que há dicas de onde a Fase 4 pode estar indo”, falou o diretor. Que dicas exatamente seriam estas? Muito foi discutido sobre aqueles outdoors misteriosos no final do filme, que sugeriam uma introdução do Quarteto Fantástico ou até mesmo de Norman Osborn, mas agora isso tudo será esquecido.

Além da teia

Mas não é um fator preocupante para o estúdio, já que seu lineup que inclui filmes e séries exclusivas do Disney+ estão mais focados em outros tipos de histórias. Expansão de personagens secundários e novos heróis, de diferentes origens e etnias, dominam o cronograma dos próximos dois anos do MCU.

Novas adições ao universo Marvel incluem o grupo cósmico dos Eternos, a aventura oriental de Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis e até uma história de origem para a Viúva Negra de Scarlett Johansson. O MCU também deve expandir as histórias de Pantera Negra e Capitã Marvel no futuro, além de trazer novos personagens como Mulher-Hulk e Cavaleiro da Lua para séries do Disney+. Sem falar nos X-Men, que devem chegar não muito tarde.

Dessa forma, o futuro do Homem-Aranha (ou a falta dele) não é exatamente um problema para o MCU. Agora é a Sony quem tem a faca e o queijo na mão, e pode brincar bem com as possibilidades para o retorno de Tom Holland como o Amigão da Vizinhança.